segunda-feira , 3 agosto 2020
www.jornalocal.com.br / Blogs Jornal Local / Mundo Animal / Instituto realiza o mais completo mapeamento genético do peixe-boi marinho no Brasil

Instituto realiza o mais completo mapeamento genético do peixe-boi marinho no Brasil

Instituto realiza o mais completo mapeamento genético do peixe-boi marinho no Brasil

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realiza, com o apoio de um órgão similar do governo norte-americano, o mais completo mapeamento genético do peixe-boi marinho (Trichechus manatus) no Brasil.

Denominado “Avaliação da diversidade genética populacional e estratégias conservacionistas para o peixe-boi marinho no Brasil”, o estudo é executado pelo Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), em parceria com o Laboratório de Análises Genéticas do Sirenian Project, da United States Geological Survey (órgão que cuida da biodiversidade nos EUA), em Gainesville, na Flórida.

A pesquisa, que conta ainda com o apoio da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Universidade da Flórida, se junta a um projeto maior que visa traçar o mapa genômico do peixe-boi marinho no mundo. Iniciativas idênticas já foram levados a cabo nos EUA, México, Belize e Guianas – países que, junto com o Brasil, registram a ocorrência desse animal, um dos mais ameaçados do planeta. No litoral brasileiro, há apenas 500.

LINHAGEM – O mapeamento genético permitirá ações de manejo capazes de, em alguns anos, fazer surgir no Brasil uma linhagem de peixes-bois marinhos geneticamente melhorados, mais resistentes a doenças, intempéries, poluição, intoxicações e, principalmente, aos efeitos das mudanças climáticas – uma ameça que paira sobre a biodiversidade do planeta.

O mapeamento proporciona o levantamento de dados que só a análise genética pode oferecer, como a existência de sub-populações de peixe-boi marinho e a ocorrência de híbridos (filhotes de espécies distintas) entre peixe-boi marinho e amazônico. Pelo menos um híbrido, já foi identificado pelos pesquisadores brasileiros.

De posse desses dados, o CMA vai definir estratégias de conservação do peixe-boi marinho no Brasil. Entre elas, uma melhor distribuição geográfica da variabilidade genética em toda a área de ocorrência do animal, que vai do litoral do Amapá ao de Alagoas, e o estabelecimento de normas e procedimentos para reintrodução dos peixes-bois reabilitados a fim de que haja um melhoramento genético da espécie.

“Ao constatar, por exemplo, que em determinado local há uma subpopulação de peixes-bois marinhos com baixa variabilidade genética, poderemos fazer reintroduções de animais com perfil genético diferente, aumentando a variabilidade e diminuindo a probabilidade de endocruzamento (cruzamento entre animais parentes), o que pode ocasionar perdas genéticas e comprometer a vida e a saúde dos animais e a conservação da espécie”, diz a doutoranda em Oceanografia e chefe do CMA, Fábia Luna, coordenadora-geral da pesquisa.

AMOSTRAS – Segundo Fábia, o projeto já colheu no Brasil mais de 50 amostras de tecidos e de sangue de peixes-bois resgatados vivos ou mortos no litoral entre o Ceará e Alagoas e de animais reintroduzidos ou pertencentes ao plantel mantido nos oceanários do CMA/ICMBio pelo País. No momento, a coleta é feita no litoral entre o Pará e o Maranhão.

Após a coleta, o material é processado no Laboratório de Mamíferos Aquáticos do CMA, em Itamaracá (PE), onde é feita a extração da papa leucocitária (núcleo) da célula através de centrifugação. O núcleo segue para análise nos EUA e o restante do material fica conservado no banco genômico do CMA a uma temperatura de 20º C abaixo de zero.

No final do ano passado, Fábia esteve na sede do laboratório do Sirenia Project, na Flórida (EUA), para realizar a extração do DNA das amostras retiradas dos animais em cativeiro nas bases do CMA e definir as próximas solturas, bem como as áreas e locais de destinação desses animais.

Segundo ela, o projeto adota a análise genética por meio de microssatélites, investigando o DNA do núcleo das células. Esse tipo de análise foi escolhido por ser mais preciso que os outros.

“É uma ferramenta relativamente nova que permite fazer inferências sobre a biologia, comportamento, evolução e história de vida da espécie em nível de populações. É importante para se constatar a variabilidade genética e como ela está estruturada para verificar se existem diferentes sub-populações de peixes-bois e analisar o nível de fluxo gênico entre elas”, diz Fábia, ao ressaltar que nunca foi realizado estudo tão vasto como esse no Brasil.

Sobre Jornal Local

Veja também

Galeria de arte realiza evento para adoção de animais

A Urban Arts Campinas realiza no próximo dia 24 de março (sábado), a 12ª edição …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *