segunda-feira , 16 setembro 2019
Home / Blogs Jornal Local / Cidades / DAEE não tem plano de segurança para as barragens de Pedreira

DAEE não tem plano de segurança para as barragens de Pedreira

Reunião ordinária do CONGEAPA reúne representantes do DAEE e comunidade local e região

Segundo os representantes do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), a empresa ainda não tem Plano de Segurança para as Barragens de Pedreira e Amparo. A informação preocupou ambientalistas e moradores da APA de Campinas, que se reuniram na noite de terça-feira (29), para ouvir as explicações sobre a obra. O encontro reuniu cerca de 90 pessoas.

O convite partiu da diretoria do Conselho Gestor da APA (CONGEAPA), que vem solicitando esclarecimentos sobre a construção das barragens e, que ganhou repercussão, após o desastre e crime ambiental, ocorrido na semana passada nas barragens de Brumadinho (MG).

Em dezembro de 2017, data em que foi aberto a licitação para as obras, o DAEE,  fez uma apresentação do projeto ao pleno do conselho, mas no decorrer do processo questões foram abordadas, porém não respondidas.

Segundo o projeto do DAEE, as novas barragens abrangem 23 municípios da região, entretanto, após a finalização da obra, será necessária a implantação de um sistema de adutoras, para conduzir as águas acumuladas das barragens para os municípios da região, sistema esse, que só será construído em 2045. 

A Barragem de Pedreira deve ser paralisada imediatamente, pois não servirá para nada, disse o ex-presidente da Agência Nacional de Águas, Vicente Andreu.

Segundo ele, a barragem não terá o anel necessário para interligar as barragens para Campinas. “A obra também traz impactos e não garante a segurança hídrica para a região, por isso devemos repensar outras medidas. Temos outras soluções para garantir água a população, como a recuperação das nascentes. As obras não se justificam, a menos que o governo faça um compromisso, que o anel será feito, o que eu não acredito”, afirmou.

Apesar da vinculação com o abastecimento de água, a origem das duas barragens está na ampliação da Refinaria de Paulínia. “Em 2006, a Replan tinha autorização para captar água do rio Jaguari, e uma licença para o projeto de ampliação e modernização, portanto na verdade, essa obra só favorece a Replan”, disse o vice-prefeito de Pedreira Fábio Polidor.

Estima-se que a altura da barragem de Pedreira chegue a 49 metros, ou seja, caso haja um rompimento atingirá rapidamente os moradores da região, distantes apenas 3 quilômetros da barragem. A cidade está em alerta, e o sentimento de insegurança assola a população.

Sobre Jornal Local

Veja também

Correios em todo país entram em greve no próximo dia 10

Intransigência da direção da empresa em suspender as negociações do acordo coletivo, mesmo com pedido …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *