sexta-feira , 6 dezembro 2019
Home / Economia e Negócios / Em protesto, petroleiros vendem botijões de gás por R$ 30 e patrocinam descontos na gasolina

Em protesto, petroleiros vendem botijões de gás por R$ 30 e patrocinam descontos na gasolina

As ações ocorreram no dia em que a direção da Petrobrás anunciou o segundo aumento no preço da gasolina em menos de uma semana – o litro do produto nas refinarias ficou 4% mais caro, em função da disparada do dólar

Os Sindicatos de Petroleiros do Norte Fluminense e do Espírito Santo realizam nesta quarta-feira (27) distribuição de combustíveis a preços justos. 

Em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, os petroleiros subsidiaram 200 botijões de gás, vendidos ao preço de R$ 30,00, menos da metade do valor praticado pelo mercado, após os reajustes desta semana, que fizeram o produto ultrapassar R$ 80,00, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em Linhares (ES), o sindicato patrocinará descontos de R$ 40,00 para os 100 primeiros motoristas que abasteceram seus veículos com gasolina ou diesel em um posto às margens da Rodovia BR 101. A ação será realizada durante a tarde. Os petroleiros irão subsidiar 20 litros do produto por consumidor. Para cada litro da gasolina, o desconto será de R$ 2,00. No caso do diesel, o consumidor pagará R$ 1,00 a menos por litro.

As ações ocorreram no dia em que a direção da Petrobrás anunciou o segundo aumento no preço da gasolina em menos de uma semana – o litro do produto nas refinarias ficou 4% mais caro, em função da disparada do dólar – e fazem parte das ações solidárias realizadas pela categoria para alertar a população sobre os prejuízos causados pela política de privatização da Petrobras.

Os preços subsidiados pelos sindicatos poderiam ser praticados pela Petrobrás, se o compromisso da empresa e do governo fosse com o povo brasileiro e não com os acionistas privados e o mercando financeiro.

 A defesa de preços justos para os derivados de petróleo está diretamente ligada à luta da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e de seus sindicatos em defesa da Petrobras pública e indutora do desenvolvimento nacional.

Desde o golpe do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, a estatal vem sendo gerida como empresa privada, com suas unidades sendo vendidas a toque de caixa, no maior processo de desmonte da história do setor petróleo.

Uma das primeiras ações dos entreguistas que assumiram a gestão da Petrobrás no governo do ilegítimo Michel Temer foi alterar os preços dos derivados nas refinarias. A gasolina, o diesel e o gás de cozinha passaram ser reajustados constantemente, de acordo com as oscilações do dólar e do barril de petróleo no mercado externo.

O governo Bolsonaro intensificou ainda mais o desmonte da Petrobras. Privatizou as distribuidoras de combustíveis (BR e Liquigás) e colocou à venda oito refinarias, que são responsáveis por metade da capacidade de refino do país. Ou seja, os preços dos derivados vão continuar disparando e, com as refinarias privatizadas, o Estado não poderá proteger o consumidor brasileiro.

Em 2014, antes do golpe do impeachment, quando o barril do petróleo valia 100 dólares, o litro da gasolina custava R$ 2,40. Hoje, o preço médio do barril é de US$ 70 e o litro da gasolina ultrapassa os R$ 5,00. Foram dois aumentos em menos de uma semana, em função do dólar que disparou.

Imagine se as refinarias forem privatizadas? Por isso é tão importante que a população apoie a luta dos petroleiros em defesa da Petrobrás.

Fonte CUT

Sobre Jornal Local

Veja também

Câmara aprova texto-base de projeto que altera regras do Imposto sobre Serviços

São alcançados os serviços de planos de saúde; planos médico-veterinários; administração de fundos, consórcios, cartões …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *