quinta-feira , 24 janeiro 2019
Home / Economia / Governador do Rio diz que não terá dinheiro até julho e defende cassinos

Governador do Rio diz que não terá dinheiro até julho e defende cassinos

O Rio de Janeiro, diversos cassinos funcionam de forma irregular, instalados em forma de resort com acomodações de luxo.

O governador do Rio, Wilson Witzel, alertou hoje (8) que o estado poderá chegar em julho sem dinheiro suficiente para honrar os compromissos e defendeu a legalização do jogo no país, como uma forma de gerar recursos. Ele participou, nesta terça-feira, da posse do novo procurador-geral do estado, Marcelo Lopes.

“Estamos, realmente, com muitas dificuldades. Nós, se mantivermos o ritmo, sem fazer nenhuma medida de contingência, sem negociação, vamos chegar em julho sem dinheiro. Estamos com um deficit de mais de R$ 8 bilhões, restos a pagar de mais de R$ 11 bilhões, e precisamos agir. Precisamos cobrar do sonegador, precisamos cobrar a dívida ativa. Precisamos nos empenhar”, disse Witzel.

O governador também pediu empenho para que seja legalizado o jogo no país, o que poderá beneficiar diretamente o estado, que é o principal portão de entrada de estrangeiros no Brasil e o maior destino turístico interno.

“Nós estamos empenhados em aprovar agora a legislação que permite a instalação de cassinos no estado do Rio de Janeiro. Não é possível que, só em Las Vegas, pessoas gastem fortunas. Aqui também há espaços para sediar cassinos e têm oportunidades para isso. É só aperfeiçoar os mecanismos de controle e não haverá nenhum tipo de problema. Certamente, o estado muito ganhará e vai se beneficiar”, disse Witzel.

Ele fez um apelo aos procuradores do estado para que, juntamente com a Secretaria de Fazenda, encontrem-se soluções para não chegar no fim do ano com um deficit bilionário. Uma das ações, segundo o novo procurador, será firmar acordos de leniência com grandes devedores que se interessarem em regularizar a situação com o estado.

“Nós estamos abertos a todas as empresas que queiram celebrar acordos de leniência. Isso é uma mensagem nossa e já estamos inclusive com alguns casos em estudo. Quem quiser aderir e vir para o campo da legalidade, este é o momento. Vamos ajudar [o estado] na arrecadação tributária, no combate à sonegação e na revisão dos contratos que hoje estão sob suspeitas de várias inconformidades, decorrentes da gestão anterior”, disse Marcelo Lopes.

Sobre Jornal Local

Veja também

Mais um governador, agora de Mato Grosso, decreta calamidade financeira

Estado pediu liberação de R$ 500 milhões de fundo de exportação Com R$ 4 bilhões …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *