quarta-feira , 20 junho 2018

Família Iorio

António ïório nasceu no Largo Santa Cmz em Campinas, no dia 29 de julho de 1882, filho de José ïório e de Domingas Citrângula. Morou pouco tempo no local, vindo a residir em Sousas onde frequentou as aulas do Grupo Escolar sendo um de seus mestres o professor João Breen. Ainda jovem mudou-se para Rio Claro onde aprendeu os ofícios de relojoeiro e ourives. Nessa mesma época aprendeu música passando a fazer parte de uma corporação musical como trombonista. Residiu com seus familiares até o ano de 1908 no município quando voltou para Campinas e trabalhou muito para ajudar na criação de seus nove irmãos, uma vez que sua mãe já havia falecido. Somente em 28 de abril de 1910 voltou para Rio Claro para casar-se com Maria Mônaco – a biúcha, filha de tradicional família rioclarence, passando desde o dia de seu matrimônio a residir definitivamente em Sousas onde nasceram seus sete filhos:
José Iório que não se casou: Salvador Iório – o Dodô que se casou com Edith de Castro de cuja união nasceram três filhos, Laércio Iório que se uniu a Ana Alaíde Bortolotto e tiveram dois filhos. Orlando Iório – pracinha na 2a Guerra Mundial que se casou com Teresa Ferreira e tiveram três filhos, Alice Iório que se casou com Luiz Gianoni e tiveram dois filhos, Zenith Iório que se casou com o cineasta e fundador do MIS de Campinas, Henrique de Oliveira Jr e tiveram três filhas. Dalva Iório que se casou com Mário Leal de Magalhães e tiveram um filho.
Tendo trabalhado como relojoeiro e ourives António exerceu também por muito tempo o cargo de sub delegado de policia. Era admirador e apaixonado pela música tendo lecionado nessa localidade esta arte, organizou uma banda de música na Fazenda Coutinho, somente com colonos, tendo vários de seus membros se destacado como bons valores galgando posição de destaque até em sinfônica.
Fez parte da diretoria da Antiga Sociedade Italiana local, foi presidente do Clube Recreativo Sousense e membro da diretoria vários anos, foi também membro do Diretório do Partido Republicano Paulista – PRP. Em 29 de abril de 1926 foi nomeado Agente do Correio de Sousas e aposentado compulsoriamente em novembro de 1952 no cargo da classe F da carreira de postalista. Nessa mesma ocasião adoecendo gravemente veio a falecer às 19:00 horas do dia 25 de julho de 1953, durante as comemorações da festa de Sant´Ana, padroeira de Sousas. Quando seu corpo era velado em sua residência a Rua Isabelita Vieira n° 3 a procissão que se dirigia a Matriz passando em frente de sua casa, executou a marcha fúnebre em sua homenagem. Pela Lei Municipal de 26 de outubro de 1955 foi denominada António Iório uma rua do nosso distrito.
Um de seus filhos também foi homenageado com o seu nome na Praça de Esportes José Iório por ter doado aquela área para sediar o campo de futebol.

Sobre Sandra Venâncio

Veja também

O MURO DA IMORALIDADE

Imigração não é um fenômeno novo. O Édito de Nantes provocou o êxodo de meio …

2 Comentário

  1. Boa noite ! Meu nome é Eduardo iorio , sou neto de vicente iorio e antonieta lauria alguém pode me ajudar , já que a familia é pequena.

    meus avos vieram para o RJ . Queria conhecer minha família melhor. BJS a todos

  2. Euclides A Iório/Toninho Iório

    Cara Sandra , bom dia .
    Grato pelas lembraças que Vc me proporcionou ao ler sobre a Família Iório.
    Eu sou um dos tres filhos do Dodo Iório.
    Morei em Sousas até a morte do Vô Antonio, qdo nos mudamos para Campinas e estamos até hoje. Nossa mudança foi motivada pela falta de ginásio em Sousas e a Maria Olívia irmã mais velha já estava cursando o 1º ano ginasial em Campinas.
    Como estou elaborando nossa árvore genealógica e procurando informação de nossa bisavó Domingas Citrangula , caso saiba onde eu possa procurar , favor informar.
    Um grande abraço
    Toninho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *