quarta-feira , 19 junho 2019
Home / Moda e Tendências / Livro aborda regras históricas para vestimentas de mulheres

Livro aborda regras históricas para vestimentas de mulheres

 

A Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) está lançando o livro “Vestidas e afeitas para serem virtuosas: as mulheres na Castela dos séculos XIV e XV”, de autoria de Thiago Henrique Alvarado. A obra conta como as legislações laical e religiosa foram decisivas para o estabelecimento de regras que ajudaram a corrigir a aparência dos fiéis cristãos.

O livro é resultado da dissertação de mestrado desenvolvida por Alvarado, cujo tema surgiu das leituras, ainda na Iniciação Científica, dos escritos castelhanos do final da Idade Média.”Embora a temática da minha pesquisa, na ocasião, fosse outra, esta impressão da importância das vestimentas no reconhecimento dos estados (termo que se referia aos grupos sociais) permaneceu e veio a ser retomada, posteriormente, na confecção do projeto de mestrado. Assim, ao direcionar as minhas leituras às vestimentas, fui levado a uma série de leis, comuns ao Ocidente medieval, denominadas pela historiografia de ‘leis suntuárias’. Estas leis visavam à restrição, e mesmo à proibição em alguns casos, de certos objetos suntuosos, como as vestes, com o intuito de preservar a diferença entre os estados, evitar os excessos e estimular a modéstia. Entre os alvos dessas leis, sobressaíam as mulheres, acusadas com certa frequência de excessos e cuidados demasiados com a aparência”, explica o autor.

A pesquisa, desenvolvida sob a orientação de Susani Silveira Lemos França, docente da Universidade Estadual Paulista (Unesp), interroga como na Castela dos séculos XIV e XV, as vestimentas e os adornos das mulheres passaram a ser alvo de uma série de prescrições que visavam à sua moralização. Desta forma o objetivo do livro foi inquirir, a partir de um conjunto de escritos normativos e edificantes, sobre os valores e as regras que deveriam pautar a conduta das mulheres castelhanas no trato de sua aparência.

Os principais pontos destacados na obra são referentes às relações intrínsecas que deveriam existir entre as vestes e os estados e entre as vestes e os corpos. “A preocupação com as vestes amparava-se na concepção tida por natural de que elas davam a conhecer o interior. Assim, em uma época em que as diferenças entre os estados deveriam ser expressas pela aparência, as vestimentas permitiam o reconhecimento à primeira vista do estado, da condição, da dignidade, da religião e do sexo da pessoa”, diz Alvarado. Ainda segundo o pesquisador, em relação às mulheres, o simples fato de trazerem a cabeça coberta permitia saber, por exemplo, se eram casadas ou não. Manter os cabelos soltos era permitido às mulheres casadouras (em idade e condições de casar). No entanto, alguns desses aspectos poderiam acarretar confusões entre os estados ou entre mulheres de condições distintas. “Preservar as diferenças era manter a disposição das coisas criadas por Deus, cabendo ao monarca corrigir as faltas dos seus súditos, o que ocorria, entre outros meios, pelo ordenamento de leis e da aplicação da justiça”, destaca o autor.

Ele também cita como curiosos e significativos entre os valores da época os cuidados em detalhar as vestes, em atribuir valores a todos os seus elementos, em explicitar atributos considerados naturais, que remetiam à criação e como eles traduziam exteriormente o interior da pessoa. Assim, as diferenças corporais entre as mulheres e os homens refletiam-se nas vestes. “O cuidado excessivo com as vestes e os adornos poderia gerar diversos pecados e males, como a vanglória, a luxúria e o dispêndio das rendas da casa, que ameaçavam não apenas a salvação delas, mas de todos ao seu redor. Faltas, portanto, que significavam muitas vezes um pecado e um crime, um desrespeito às leis humanas e à vontade divina, e que justificavam a correção e instrução das mulheres tanto por laicos quanto por religiosos, por meio das leis, da confissão e da pregação”, conclui Alvarado.
O livro pode ser adquirido no site www.editora.ufscar.br.

Sobre Jornal Local

Veja também

Técnica de beleza da Condor ensina penteado prático para arrasar nos dias quentes

  Para aliviar as altas temperaturas do verão, as mulheres optam, normalmente, pelo cabelo preso. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *