terça-feira , 20 novembro 2018
Home / Mundo / Fernando Haddad diz que seu Ministro da Fazenda não será banqueiro

Fernando Haddad diz que seu Ministro da Fazenda não será banqueiro

Candidato falou sobre seus planos para o governo e reforçou reforçou o compromisso com um segundo turno baseado em propostas, e não em ódio

O compromisso com um governo popular, com o combate à corrupção, e com um segundo turno de debate de propostas, e não de ódio, foi reforçado por Fernando Haddad na manhã desta quarta (10), em entrevista.

O candidato do PT anunciou que seu ministério será formado por pessoas comprometidas com o povo, que respeitem os nordestinos, as mulheres, a diversidade racial, os direitos sociais e trabalhistas, que respeite a ciência, a cultura e a educação. “Por isso o meu ministro da Fazenda não vai ser banqueiro, que é o mesmo que botar a raposa pra cuidar do galinheiro.”

“Os juros vão baixar e os banqueiros vão parar de espoliar o povo. Meu ministro da Fazenda vai fazer uma reforma tributária que zere o imposto do pobre e cobre dos ricos que não pagam. Então, ao contrário do Paulo Guedes, do Bolsonaro, meu ministro da Fazenda não vai ser banqueiro.”

Além de aproveitar a oportunidade para agradecer os nordestinos pelo apoio e pela ida ao segundo turno, Haddad falou especialmente sobre a grande oportunidade de, neste momento, comparar os dois projetos para o país.

Haddad quer retomar a era de ouro do Brasil em vez de, como seu adversário, cortar direitos, congelar investimentos públicos e cobrar imposto dos que ganham menos.

Bolsa Família

“O Bolsa Família não é o único programa social que levamos para o Nordeste. Sabe quantos ônibus escolares nós compramos no Ministério da Educação? Eu criei um programa que comprou 30 mil ônibus escolares porque as crianças eram transportadas em pau de arara. Isso não é esmola. Tudo é direito: computadores nas escolas, Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, crédito, terra… É assim que nós trabalhamos.”

“Matar a fome do povo é direito constitucional. Garantir que frequente a escola é direito. É obrigação do Estado matar a fome do povo. Levar água para as pessoas é direito. Será que cisterna, transposição do rio São Francisco, universidade pública em Caruaru, em Garanhuns, em Petrolina, é esmola? Pra mim, tudo isso é direito”, afirmou.

Emprego

Haddad lembrou que os governos petistas criaram 20 milhões de postos de trabalhos. “Nós sabemos gerar empregos”. Para isso, Haddad vai promover uma reforma bancária, uma reforma tributária e a retomada de obras fundamentais para o Nordeste e o Brasil, como a transposição do São Francisco e a Transnordestina, que estão paradas.

Segurança

Haddad falou ainda sobre seu plano de governo para a segurança pública. “Nós vamos colocar a Polícia Federal, pela primeira vez, para atuar contra o crime organizado. O crime organizado não está sendo preso no Brasil por falta de eficiência do Estado. O Estado tem que punir o grandes criminosos. Todo criminoso tem que ir para a cadeia, mas a Polícia Federal tem que atuar para prender o grande criminoso.”

Sobre Jornal Local

Veja também

Anistia Internacional quer comissão independente para caso Marielle

ONG apresentou no Rio o relatório O labirinto do caso Marielle Franco No dia em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *