sexta-feira , 21 fevereiro 2020
www.jornalocal.com.br / Plantão Policial / 250 novos delegados foram nomeados pela Polícia Civil

250 novos delegados foram nomeados pela Polícia Civil

Mesmo com as novas nomeações, o quadro de delegados de polícia foi reduzido em 64 profissionais nos últimos quatro anos.

A nomeação de 250 novos delegados de polícia no Estado de São Paulo no início da semana foi uma boa notícia para a Polícia Civil paulista. A informação foi dada pela presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, Raquel Kobashi Gallinati.

“É mais do que urgente a incorporação de novos delegados aos quadros da polícia, para aliviar, ao menos em parte, a enorme sobrecarga de trabalho a que esses profissionais são submetidos diariamente”, disse.

A chegada dos novos policiais, entretanto, não é suficiente sequer para acabar com uma tendência que começou há cerca de 20 anos: a redução de recursos humanos e o desmonte da Polícia Civil.

Um levantamento estatístico aponta que, desde janeiro de 2016, o total de provimentos de novos delegados chega a 530 profissionais, já considerando os 250 do último anúncio.

No mesmo período, as baixas somam 594 pessoas. Mesmo com as novas nomeações, o quadro de delegados de polícia foi reduzido em 64 profissionais nos últimos quatro anos.

Ou seja, as nomeações não vão reverter o quadro atual de delegados sendo responsáveis por mais de um distrito policial na mesma região, em muitos casos, responsáveis pela investigação e trabalho de Polícia Judiciária em três ou mais cidades do interior. 

Segundo o Defasômetro publicado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp), a Polícia Civil Paulista fechou o ano passado com um déficit de 945 delegados.

Dos 3463 cargos existentes por lei, somente 2518 estavam ocupados.

E o problema vai além dos números. Com a falta de nomeações, a reposição de profissionais fica comprometida. Com isso, delegados que já preenchem os requisitos para a aposentadoria seguem trabalhando.

No final de 2019, um total de 43% dos delegados paulistas já tinha direito à aposentadoria. Ou seja, é uma carreira sobrecarregada, sem condições materiais de trabalho e envelhecida.

E o horizonte para a população que depende da Polícia Civil para estar em segurança é sombrio.

O projeto de lei apresentado pelo Governo do Estado que altera a Previdência dos Servidores Públicos do Estado retira direitos hoje garantidos na aposentadoria dos delegados.

Esse projeto, atualmente, está com sua tramitação suspensa pela Justiça.

Se o Governo não apresentar uma nova proposta, mais justa para os servidores, e conseguir aprovar na Assembleia Legislativa o texto do jeito que está, esses 43% de delegados já com tempo de aposentadoria poderão requerer o direito imediatamente.

Em questão de meses, um quadro já muito defasado poderá perder mais de 40% dos seus profissionais.

Investigações paralisadas, inquéritos policiais que não vão chegar ao Judiciário dentro do prazo e vítimas de violência que não serão atendidas nos distritos policiais por falta de delegados passarão a ser frequentes, mesmo com o esforço redobrado dos delegados que tentarão fazer o trabalho dos profissionais que o Estado não contrata.

Os 250 novos delegados são muito bem-vindos, mas se essa política de nomeações não se tornar frequente, o Governo do Estado vai perpetuar o déficit histórico de pessoal na área da Segurança Pública.

Sobre Jornal Local

Veja também

Contra portaria de Moro, STJ veta expulsão de boliviana mãe de crianças brasileiras

No entendimento do ministro, a avaliação pela Justiça poderia se limitar apenas ao cumprimento formal …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *