terça-feira , 14 julho 2020
www.jornalocal.com.br / Plantão Policial / É fake, a notícia da negociação entre PT e PCC, confirma promotor do Gaeco

É fake, a notícia da negociação entre PT e PCC, confirma promotor do Gaeco

m entrevista exclusiva ao UOL, Lincoln Gakiya do Ministério Público de São Paulo desmonta fake news e confirma que o Partido jamais negociou com a facção criminosa

O promotor de Justiça Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de São Paulo (MP), negou que tenha ocorrido alguma negociação entre o Partido dos Trabalhadores e a facção PCC. Gakiya é atualmente o principal investigador do país contra a organização criminosa e revelou, em entrevista exclusiva ao UOL, que “não há nenhum indicativo de negociação do governo PT com o PCC”.

Ainda segundo o promotor, que foi responsável por pedir, no fim de 2018, as transferências dos chefes facção criminosa dos presídios paulistas para o sistema federal, “é bom que se diga que os presos não foram transferidos em décadas de governo do PSDB em São Paulo”. Gakiya também descartou que o suspeito preso integre a cúpula do PCC e lembrou que “a investigação sobre o plano de resgate e o pedido de remoção de Marcola foi feito por mim, ou seja, pelo MP, e deferido pelo juiz da 5ª VEC (Vara de Execução Criminal) de São Paulo”, afirmou.

O investigador do Gaeco esclareceu ainda que o governo federal teve o papel somente de disponibilizar vagas através do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) e de organizar a ‘logística da transferência’. Apenas isso, o mesmo se diz do governo Doria, que também apenas auxiliou na logística. O que houve foi apenas cumprimento de ordem judicial. Não cabia ao governo federal ‘determinar’ ou ‘negar’ as transferências”.

Gakiya também fez questão de ressaltar o papel insignificante do ministro Sergio Moro no combate à facção criminosa. “Portanto a percepção do preso de que o Moro determinou a remoção e endureceu para o PCC não é verdadeira, porque, como disse, as tratativas começaram quando o governo era do Temer”.

Também responsável por investigar o PCC, no início dos anos 2000, o procurador de Justiça Márcio Sérgio Christino corroborou com as afirmações de Gakyia. “O envolvimento do PCC com partidos políticos sempre foi a aventada e nunca comprovada”.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do UOL

Sobre Jornal Local

Veja também

Polícia faz operação contra suspeitos de integrar milícia no Rio

Os alvos da ação foram indiciados pelo crime de organização criminosa. (Tânia Rêgo/Agência Brasil) Policiais …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *