Home / Política / Congresso derruba 18 vetos de Bolsonaro à lei de Abuso de Autoridade

Congresso derruba 18 vetos de Bolsonaro à lei de Abuso de Autoridade

Na Câmara dos Deputados, o placar a favor da derrubada variou de 267 a 313 votos e, no Senado, de 41 a 56 votos.

O Plenário do Congresso Nacional derrubou, nesta terça-feira (24), 18 de 33 itens que haviam sido vetados por Jair Bolsonaro (PSL) no Projeto de Lei 7596/17, que trata do abuso de autoridade.

A decisão de derrubar os vetos antes de votar a reforma da Previdência, uma reação do Senado a ação da Polícia Federal que invadiu o gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho ( MDB-PE) na semana passada, é uma derrota para Bolsonaro e para o ministro Sérgio Moro, da Justiça, que havia defendido os vetos. E ocorreu enquanto Bolsonaro estava fora do país, participando da Assembléia Geral da ONU.

Placar da derrota

Na Câmara dos Deputados, o placar a favor da derrubada variou de 267 a 313 votos e, no Senado, de 41 a 56 votos.

Como fica a lei

Com a decisão, ficam mantidas punições a agentes do estado como magistrados, membros do Ministério Público e policiais que cometerem excessos. Entre os excessos estão decretar ordens de prisão “em desconformidade com a lei”. A prática tornou-se conhecida graças a diversos episódios da Operação Lava Jato.

O abuso de autoridade e os vetos rejeitados

Com a derrubada dos vetos, retornarão ao texto da Lei 13.869/19 os seguintes crimes:

– o responsável pelas investigações que, por meio de comunicação, inclusive rede social, antecipar atribuição de culpa antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação: pena de detenção de 6 meses a 2 anos e multa;

– decretar prisão sem conformidade com as hipóteses legais. Válido também para o juiz que, dentro de prazo razoável, deixar de relaxar a prisão manifestamente ilegal; deixar de substituir a prisão preventiva por medida cautelar ou conceder liberdade provisória, quando manifestamente cabível; ou deixar de deferir liminar ou ordem de habeas corpus, quando manifestamente cabível: pena de detenção de 1 a 4 anos e multa;

– constranger o preso ou o detento, mediante violência, grave ameaçaj ou redução de sua capacidade de resistência, a produzir prova contra si mesmo ou contra terceiro: pena de detenção de 1 a 4 anos, e multa, sem prejuízo da pena cominada à violência;

– violar direito ou prerrogativa de advogado como a inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho e sigilo de comunicação; a comunicação com seus clientes; a presença de representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) quando preso em flagrante por motivo ligado ao exercício da advocacia; e prisão temporária especial: pena de detenção de 3 meses a 1 ano;

– deixar de se identificar ou se identificar falsamente ao preso quando de sua prisão. Aplica-se também para quem, como responsável por interrogatório, deixa de se identificar ao preso ou atribui a si mesmo falsa identidade, cargo ou função: pena de detenção de 6 meses a 2 anos e multa;

– prosseguir com o interrogatório de pessoa que tenha decidido exercer o direito ao silêncio ou de pessoa que tenha optado por ser assistida por advogado ou defensor público: pena de detenção de 1 a 4 anos e multa;

– impedir, sem justa causa, a entrevista pessoal e reservada do preso com seu advogado. Aplica-se a pena também a quem impede o preso, o réu solto ou o investigado de entrevistar-se pessoal e reservadamente com seu advogado ou defensor, por prazo razoável, antes de audiência judicial, e de sentar-se ao seu lado e com ele se comunicar durante a audiência, salvo no curso de interrogatório ou no caso de audiência realizada por videoconferência: pena de detenção de 6 meses a 2 anos e multa;

– dar início ou proceder à persecução penal, civil ou administrativa sem justa causa fundamentada ou contra quem sabe inocente: pena de detenção de 1 a 4 anos e multa;

– negar ao interessado, seu defensor ou advogado acesso aos autos de investigação preliminar, ao termo circunstanciado, ao inquérito ou a qualquer outro procedimento investigatório de infração penal, civil ou administrativa; ou impedir a obtenção de cópias: pena de detenção de 6 meses a 2 anos e multa.

Sobre Jornal Local

Veja também

Parlamentares da oposição derrubam Proposta de Emenda à Constituição, da prisão após condenação em segunda instância

oposição considera um atropelamento o que foi feito na comissão e questiona a pauta ter …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *