www.jornalocal.com.br / Política / Deltan manipulou opinião pública para pressionar STF e perseguir Lula

Deltan manipulou opinião pública para pressionar STF e perseguir Lula

Procurador da Lava-Jato organizou ações junto a movimentos que apoiaram o golpe de 2016. Durante uma das articulações, ele chega a chamar uma procuradora Thaméa Danelon de sua “laranja”

Não há mais dúvidas que Deltan Dallagnoltransformou a Lava Jato em seu instrumento político e fez da operação mecanismo de perseguição àqueles que ele julga ‘inimigos’. As últimas mensagens divulgadas pelo The Intercept Brasil revelam que o procurador usou grupos políticos “anticorrupção” supostamente “apartidários” como “laranjas” de suas pretensões políticas. O objetivo era manipular a opinião pública a favor da Operação Lava Jato e pressionar oSupremo Tribunal Federal a favor da prisão em segunda instância, com o claro objetivo de prejudicar Lula.

Sempre agindo nas sombras, Deltan orientou no início de 2018 os movimentos Vem pra Rua e Mude a pressionarem o ministro do STFAlexandre de Moraes, a se posicionar a favor da prisão em segunda instância, prejudicando diretamente o ex-presidente, obsessão da Lava Jato, de Sérgio Moro e de Dallagnol. Deltan também articulou um abaixo-assinado de juízes e procuradores favoráveis à prisão em segunda instância.

“Vou te propor ser laranja em outra coisa que estou articulando”

Dias após a condenação do ex-presidente no caso do triplex do Guarujá pelo TRF-4, Deltan entrou em contato com Thaméa Danelon, procuradora da Lava Jato em São Paulo. O objetivo dele seguia sendo pressionar Moraes para votar em favor da prisão em segunda instância. Porém, dessa vez ele pediu que fosse criado um segundo abaixo-assinado assinado pela sociedade e não só por procuradores e juízes.

“Se Vc topar, vou te pedir pra ser laranja em outra coisa que estou articulando kkkk”, escreveu Deltan que recebeu o sinal positivo por parte de Thaméa. “Um abaixo assinado da população, mas isso tb nao pode sair de nós… o Observatório vai fazer. Mas não comenta com ng, mesmo depois. Tenho que ficar na sombra e aderir lá pelo segundo dia. No primeiro, ia pedir pra Vc divulgar nos grupos. Daí o pessoal automaticamente vai postar etc”, explicou Dallagnol.

A ação saiu do papel e Dallagnol, satisfeito com a repercussão, foi comemorar com a colega Thaméa: “Temos que cuidar pra não parecer pressão. Se não estivéssemos na LJ, o tom seria outro kkkkk. Ia chutar o pau da barraca rs. Depois chutava a barraca e eles todos tb kkk”. A procuradora responde: “Eu colocava todos na barraca e metralhava kkkk”.

Deltan também trocou mensagens com um assessor de comunicação do MPF, buscando material que pudesse ser usado pelo Vem Pra Rua e pelo Mude para constranger o ministro. “Se tivermos um vídeo bem claro, será top. Um vídeo viraliza”, diz Deltan ao assessor, solicitando material para os grupos políticos fazerem uso.

Horas mais tarde, o assessor encaminha um vídeo e acrescenta: “Cortei o vídeo ‘grosseiramente’ para deixar só a fala sobre execução provisória. não acrescentei legenda, nada, e reduzi a resolução para viralizar mais fácil”. O assistente informa que o Vem Pra Rua já publicou o vídeo no Facebook, e Deltan comemora e agradece: “Top Assesor 1. HAHAHAAH SENSACIONAL. VC É DEMAIS!!”.

Manipulação nas redes sociais

O procurador chama Thaméa novamente e pede que ela ajude no compatilhamento do vídeo, dando sugestões até mesmo para a legenda: “Da pra compartilhar dizendo: certamente AM vai votar pela prisão… não teria razão pra mudar de opinião que tem desde 2009 agora…”. A procuradora consente e diz que fez o post como orientada, e Dallagnol repsonde: “Boa Tamis, acho que é por aí. É uma mensagem que deposita confiança e ao mesmo tempo empareda”, evidenciando a tentativa de manipulação da opinião pública e a importãncia de pressionar o ministro do STF.

Dias depois da troca de mensagens e dos posts nas redes sociais, Alexandre de Moraes votou a favor da execução da pena do deputado federal João Rodrigues (PSD-SC), que havia sido condenado em segunda instância. Dessa maneira, ficou claro que o ministro votaria a favor do cumprimento da pena do ex-presidenteLula.

O substituto de Teori

Em janeiro de 2017, Teori Zavascki, então ministro do STF, morreu em acidente aéreo. Sua cadeira no Supremo ficou vaga, assim como o posto de relator dos processos da Lava Jato na Corte, responsável pelos casos envolvendo políticos com foro privilegiado. Os candidatos a ocupar a posição eram os ministros da 2ª turma: Toffoli, Gilmar Mendes, Lewandowski e Celso de Mello. Nenhum destes nomes agradava Deltan, que reclamou da falta de opção ao líder do Mude, Fabio Alex Oliveira.

“Não posso posicionar a FT publicamente, mesmo em off, quanto a Ministros que seriam bons, pq podemos queimar em vez de ajudar. Falei os 4 que seriam ruins, que Toff, Lewa, Gilm e Marco Aur”, escreveu no dia seguinte à morte de Zavascki. Deltan então foi questionado pelos movimentos Mude e pelo Vem Para Rua “sobre quem seria ideal pra assumir a posição do Teori”. Uma semana depois, Dallagnol expressou preocupação em relação aos possíveis nomes a ocupar a vaga, pedindo aos colegas da força-tarefa que dissessem aos jornalistas, em off, que temiam por qualquer uma das opções.

A bipolaridade com Fachin

Em conjunto, os integrantes do grupo de telegram Filhos do Januário 1 consideraram importante pressionar o  STF a não definir a questão por sorteio. Para isso, os colegas delegariam grupos políticos a pressionarem os ministros. O procurador Paulo Roberto Galvão alertou para a importância da discrição: “se houver um movimento social, sem vinculação conosco, contra o sorteio, aí pode ter algum resultado…”.

No dia seguinte, 1º de fevereiro, o ministro Edson Fachin solicitou mudança para a 2ª turma. No entanto, os procuradores da Lava Jato preferiam Luís Roberto Barroso. Deltan relatou à procuradora Anna Carolina Resende que fez o pedido ao ministro, que tem ressalvas quanto à migração para a 2ª turma: “Ele ficou alijado de todo processo. Ninguém consultou ele em nenhum momento. Há poréns na visão dele em ir, mas insisti com um pedido final. É possível, mas improvável.”

No mesmo dia, Dallagnol conversou também com Patrícia Fehrmann, líder do Mude, e pediu para os movimentos compartilhassem o texto do jurista Luis Flavio Gomes que criticava Mendes, Lewandowski e Toffolli. O Mude e o Vem Pra Rua reproduziram a visão do jurista. No fim, Fachin migrou para a 2ª turma e foi sorteado como relator da Lava Jato, o que foi comemorado por Deltan: “Fachin foi coisa de Deus”, afimou a Fábio Oliveira, do Mude.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do The Intercept Brasil

Sobre Jornal Local

Veja também

Toffoli autoriza exibição do Especial de Natal do Porta dos Fundos

A decisão de Toffoli é provisória e foi tomada em função do recesso do Judiciário. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *