quinta-feira , 25 abril 2019
Home / Política / Generais e Militares divergem de Bolsonaro sobre a Venezuela

Generais e Militares divergem de Bolsonaro sobre a Venezuela

Alta cúpula das Forças Armadas se vê subordinada a um “capitão, situação inusitada no âmbito do Exército

A posição do Estado brasileiro em relação à Venezuela é considerada reveladora sobre os dilemas da alta cúpula das Forças Armadas, que desde 1º de janeiro se vê subordinada a um “capitão” – situação inusitada no âmbito do Exército. Em visita aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) alinhou-se ao discurso belicista do presidente Donald Trump contra o governo de Nicolás Maduro e reforçou a contradição interna do governo. 

“Trump repetiu que todas as hipóteses estão na mesa. O que ele conversou comigo reservadamente, me desculpem, mas eu não poderia conversar com vocês”, disse o brasileiro a jornalistas depois de uma reunião reservada com o presidente estadunidense nesta terça-feira (19). Bolsonaro também elogiou publicamente o poder econômico e bélico dos EUA e acrescentou, ao citar a crise na Venezuela: “Podemos fazer grandes coisas juntos”. 

Segundo generais ouvidos pela “Folha”, causou preocupação principalmente a conversa que Bolsonaro teve a sós com Trump, acompanhado apenas de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ). A preocupação é que, nessa conversa, Bolsonaro possa ter sido mais assertivo com Trump e assumido compromissos não revelados. 

Para reforçar os conflitos, o chanceler Ernesto Araújo demonstrou irritação ao ficar de fora da reunião com Trump – além dos dois presidentes e seus respectivos tradutores, somente o filho de Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) participou da conversa.

O tom adotado por Bolsonaro não teria agradado aos generais da ativa do Exército. A alta cúpula militar é contra uma intervenção armada na Venezuela, e fala-se até em “ruptura” com o governo caso o presidente siga apoiando a ação defendida pelos Estados Unidos.

Os generais brasileiros avaliam que uma intervenção armada no país vizinho teria consequências graves para o Brasil, aumentando o fluxo de migração e desatando conflitos na região – até agora, considerada uma zona de paz. 

Os oficiais das Forças Armadas – principalmente do Exército – são contrários ao envolvimento numa eventual ação militar na Venezuela. O tom belicista de Bolsonaro nos EUA, sobre o apoio a uma eventual ação militar contra a Venezuela, acendeu uma luz amarela entre oficiais generais do Exército. Eles temem que o presidente tenha se comprometido a ajudar os EUA numa ação para derrubar Nicolás Maduro. 

Na reserva, também há resistência ao apoio bélico do Brasil a uma intervenção dos Estados Unidos na Venezuela. O próprio vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que foi adido militar na Venezuela, já se declarou contrário a qualquer medida que não seja diplomática contra o governo de Nicolás Maduro.  

Grotesco”

O governo venezuelano reagiu às declarações de Bolsonaro e Trump. O Ministério do Poder Popular para as Relações Exteriores da Venezuela acusou os dois presidentes de fazerem “apologia à guerra”. “Resulta grotesco ver dois chefes de Estado como responsabilidades internacionais fazer apologia da guerra, sem qualquer vergonha, em flagrante violação à Carta das Nações Unidas”, afirmou a chancelaria em Caracas.  

Bolsonaro retorna ao Brasil nesta quarta-feira (20). A imprensa internacional repercutiu negativamente a visita do presidente brasileiro aos Estados Unidos. Enquanto Trump apenas sinalizou um possível apoio à intenção do Brasil ingressar à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Bolsonaro concedeu aos Estados Unidos o uso da Base de Alcântara (MA), autorizou de forma unilateral o fim da exigência de visto para turistas estadunidenses e se comprometeu em abrir mão do tratamento diferenciado que recebe na Organização Mundial do Comércio (OMC), como país em desenvolvimento. 

Para os generais brasileiros, diz a “Folha”, este seria um ponto de ruptura com o governo. Os generais passaram a tarde da terça-feira (19) trocando impressões, em seus grupos no WhatsApp, sobre as falas de Bolsonaro nos EUA sobre a Venezuela, diz a reportagem. Bolsonaro, que não descartou ações militares, disse não poder detalhar as conversas com Trump e deixou essa possibilidade no ar. Também provocou preocupação entre os generais a versão de que o Brasil daria auxílio logístico a alguma ação militar dos EUA. Dois generais ouvidos pela “Folha”, disseram que isso é inaceitável para maioria da cúpula das Forças Armadas brasileiras. Um oficial disse que se tal ideia fosse adiante, seria inevitável a reavaliação do apoio que o presidente tem entre as altas esferas Forças Armadas.

Fonte Brasil de Fato

Sobre Jornal Local

Veja também

CCJ da Câmara deve votar hoje relatório da reforma da Previdência

Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados vota relatório da Previdência em sessão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *