quarta-feira , 21 agosto 2019
Home / Política / Mais uma grave denúncia envolve o PSL, partido do presidente Bolsonaro

Mais uma grave denúncia envolve o PSL, partido do presidente Bolsonaro

Candidatura de fachada à Câmara Federal, a de Lourdes dos Anjos (PSL-PE), recebeu R$ 400 mil do fundo partidário

A nova denúncia da Folha de São Paulo constrangeu o governo e causou um desconforto na bancada do partido na Câmara. O jornal informa que o presidente do PSL, Luciano Bivar é suspeito de uso de laranjas pelo PSL nas eleições para deputado. Uma candidatura de fachada à Câmara Federal, a de Lourdes dos Anjos (PSL-PE), recebeu R$ 400 mil do fundo partidário e teve apenas 274 votos.

Segundo a Folha, Gustavo Bebianno – que presidia o PSL na campanha e é o atual secretário-geral da Presidência – tentou falar com Bolsonaro pelo telefone neste domingo. Não foi atendido.

Aliados do governo também estão preocupados com a ação de Eduardo e Flávio Bolsonaro no Congresso. O primeiro é deputado federal eleito por São Paulo. O segundo é senador pelo Rio de Janeiro. Mas qualquer ação deles não ressoa apenas entre congressistas.

Reportagem do jornal O Globo deste domingo mostra restrições feitas por parlamentares da base governista e ministros a iniciativas dos filhos do presidente. Conforme a matéria, eles foram advertidos a serem cuidadosos, porque tudo o que fazem será indefectivelmente associado ao governo Bolsonaro.

Tamanho burburinho na base, com uma manifestação de fogo amigo atrás da outra, pode ter sido o pretexto para Bolsonaro apelar. Neste domingo, nas redes sociais, ele chamou de “ato terrorista” o atentado contra sua vida praticado em 6 de setembro de 2018, durante a campanha eleitoral.

Num vídeo gravado no hospital e postado em suas redes, ele cobrou à Polícia Federal que “nas próximas semanas” conclua as investigações e aponte “o responsável” – ou os responsáveis – por ordenar o crime a Adélio Bispo. Antes mesmo da conclusão do inquérito, portanto, o presidente afirma que houve um mandante, depois de, novamente, associar o autor da facada ao PSOL, partido ao qual foi filiado. 

Bolsonaro disse que o crime “não pode ficar impune”, embora Adélio já esteja preso desde a facada. Talvez o presidente precise de mais manobras retóricas para mudar a pauta de um noticiário cada vez mais negativo sobre seu governo e sua família.

Sobre Jornal Local

Veja também

Movimentos populares, centrais sindicais, partidos convocam luta nos 500 dias de prisão de Lula

Além de ações na Vigília Lula Livre em Curitiba, movimento ressalta a importância das inúmeras …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *