quarta-feira , 19 fevereiro 2020
www.jornalocal.com.br / Política / Partidos de oposição pede cassação de Eduardo Bolsonaro

Partidos de oposição pede cassação de Eduardo Bolsonaro

Ao STF, os partidos pedem que as declarações sejam enquadradas como “Incitação ao crime” e “Apologia de crime ou criminoso”, com base nos artigos 286 e 287 do Código Penal Brasileiro.

Partidos de oposição (PT, PSB, PCdoB, Psol e PDT) apresentaram, nesta quinta-feira (31), pedido de cassação do mandato do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à Câmara dos Deputados. Uma queixa-crime também foi encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o parlamentar, por causa das declarações dadas à jornalista Leda Nagle, em seu canal no Youtube, sobre a possiblidade de o governo instaurar ‘um novo AI-5 no Brasil’, caso a “esquerda radicalize”, conforme disse o deputado.

Ao STF, os partidos pedem que as declarações sejam enquadradas como “Incitação ao crime” e “Apologia de crime ou criminoso”, com base nos artigos 286 e 287 do Código Penal Brasileiro.

Na entrevista, o filho 03 de Jair Bolsonaro (PSL), defendeu a utilização de métodos da ditadura militar pelo governo contra as manifestações ao afirmar que “se esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta, ela pode ser via um novo AI-5; pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como ocorreu na Itália… alguma resposta vai ter que ser dada. O que faz um país forte não é um Estado forte: são indivíduos fortes”.

Para os partidos de oposição a declaração de Eduardo Bolsonaro é gravíssima e uma “afronta à Constituição, ao Estado democrático de Direito e um flerte inaceitável com exemplos fascistas e com um passado de arbítrio, censura à imprensa, tortura e falta de liberdade”.

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que a declaração de Bolsonaro fere o decoro parlamentar e, por isso, justifica a cassação. “Ele está usando a imunidade parlamentar para defender o fim da democracia e da Constituição que ele jurou defender”, disse.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) também levantou a possiblidade de punição de Eduardo Bolsonaro. Em nota, Maia afirmou que “apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível e punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras”.

Para o presidente da Câmara, a fala de Eduardo Bolsonaro também fere a Constituição. “A Carta de 88 abomina, criminaliza e tem instrumentos para punir quaisquer grupos ou cidadãos que atentem contra seus princípios – e atos institucionais atentam contra os princípios e os fundamentos de nossa Constituição.”, diz trecho da nota do Presidente da Câmara.

Segundo reportagem da Agência Brasil, até mesmo em seu partido, o PSL, Eduardo Bolsonaro encontrou resistência por sua fala.

O deputado Junior Bozella (PSL-SP) afirmou que a fala não representa a bancada e é repudiada “veementemente” pelos deputados. “É uma declaração extremamente infeliz, que afronta a Constituição, a ordem e a segurança nacionais”, disso o parlamentar.

AI-5

O Ato Institucional número 5 foi instituído no final de 1968 pelo general Artur da Costa e Silva com o propósito de perseguir e calar as organizações e personalidades que faziam oposição ao regime militar.

O mais duro ato imposto pela ditadura abriu caminho para o fechamento do Congresso Nacional, suspensão de quaisquer garantias constitucionais, cassação de mandatos, intervenção nos sindicatos, prisões , assassinatos e tortura de opositores.

Sobre Jornal Local

Veja também

Reclamação do doleiro Youssef no STF pode servir para rever credibilidade das delações

No centro do debate está uma delação de 2003 do doleiro Alberto Youssef, firmada com o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *