quinta-feira , 13 agosto 2020
www.jornalocal.com.br / Brasil / Greve dos petroleiros ganha força após decisão do Judiciário

Greve dos petroleiros ganha força após decisão do Judiciário

Além da alta de preços, existe risco de contaminação da carne por formol. Isso porque o governo fechou as refinarias da Bahia e de Sergipe, o que acarretará o fim da produção de ureia (usada como suplemento na ração do gado) pela Petrobras

Segundo a Federação Única dos Petroleiros a greve da categoria “está forte e a cada dia ganha mais força”. Foi o que informou o coordenador da entidade, José Maria Rangel. Ele acrescenta que a mobilização e a paralisação proporcionaram debates importantes com a sociedade sobre a privatização da Petrobras e o significado de as refinarias permanecerem sob controle do Estado. “Estamos no caminho certo, mesmo com o silêncio da mídia conservadora e os ataques do Judiciário. Felizmente a categoria tem entendido a importância da participação nesse movimento.”

Nesta terça-feira (11), trabalhadores de mais cinco plataformas e dois terminais aderiram à greve. No total, 102 unidades do sistema Petrobras estão mobilizadas em 13 estados do país. A empresa começou, na segunda-feira (10), a buscar temporários para manter as operações.

As mais recentes adesões são do Terminal de São Caetano do Sul (região do ABC paulista), do Terminal Aquaviário, de Barra do Riacho (ES) e cinco plataformas, entre as quais a P-58, que opera o campo de Jubarte, no pré-sal da Bacia do Espírito Santo.

Os petroleiros exigem a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), previstas para serem desencadeadas na próxima sexta-feira (14), e o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho.

A FUP e sindicatos recorreram ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), com pedido para que o ministro Ives Gandra reconsidere as decisões tomadas em dois despachos monocráticos favoráveis à gestão da estatal. Para a federação, embora Gandra tenha reconhecido a legalidade da greve, ele impôs condições “severas” ao movimento, ao determinar, por exemplo, que 90% dos efetivos operacionais sejam mantidos.

O descumprimento à liminar, segundo a decisão, implica em multa diária de R$ 500 mil para a FUP e os sindicatos do Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo, e mais R$ 250 mil para os demais sindicatos. No total, diz a FUP, os critérios “desproporcionais” da penalização podem resultar em R$ 4,5 milhões por dia.

Mesmo assim, a FUP e seus sindicatos afirmam estar cumprindo a liminar, como, por exemplo, a determinação de não realizar piquetes. Por outro lado, a direção da Petrobras nega informações sobre efetivos e impede o acesso dos trabalhadores às unidades, segundo a entidade. “Em vez de negociar, a gestão anunciou contratações temporárias, medida que coloca em risco os trabalhadores e as próprias unidades, cuja operação exige profissionais extremamente qualificados e treinados.”

Alerta

A FUP alerta que o fechamento da Fafen-PR não só deixará mil trabalhadores da unidade desempregados, como é um risco para o setor exportador do agronegócio e, principalmente, para os consumidores de carne vermelha.

Além de uma possível alta de preços, existe risco de contaminação da carne por formol, de acordo com a entidade. Isso porque o governo fechou as refinarias da Bahia e de Sergipe e pretende fechar a do Paraná, o que acarretará o fim da produção de ureia (usada como suplemento na ração do gado) pela Petrobras. As três refinarias eram responsáveis por 24% da fabricação de ureia.

Para compensar o valor mais caro da ureia importada, os produtores podem aumenta  o preço da carne. Pior do que isso, segundo a FUP, seria eles utilizarem ureia agrícola, cujo processo leva formol. “Um produto totalmente diferente da ureia pura, que não representa perigo à saúde do ser humano”, afirma a FUP.

Empresa exportadora

Em relatório divulgado nesta segunda-feira (10), a Petrobras comemora o “excelente desempenho operacional no último trimestre de 2019”. De acordo com a empresa, a produção chegou a 3,025 milhões barris de óleo equivalente por dia (boed). Foi a primeira vez que a companhia ultrapassou os 3 milhões de barris em um semestre.

A Petrobras se reafirma cada vez mais como empresa exportadora de petróleo cru. Essa posição é confirmada pelo relatório. A exportação de petróleo no quarto trimestre de 2019 foi 11% maior do que nos três meses anteriores e 38% na comparação ao quarto trimestre de 2018. Em novembro, diz a companhia, a exportação chegou ao nível recorde de 767 mil barris por dia.

Na prática, a situação é reflexo da política instituída na Petrobras a partir do governo Michel Temer, e intensificada com Jair Bolsonaro, de transformar a companhia cada vez mais em exportadora de óleo cru e importadora de combustíveis.

Por isso, o governo tenta a todo custo vender as refinarias Landulpho Alves (RLAM), na Bahia; Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco; Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul; Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná; e Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais.

Sobre Jornal Local

Veja também

Governador de São Paulo, João Dória testou positivo para o Covid-19

Sem sintomas, o governador de São Paulo disse que seguirá todos os protocolos de isolamento …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *