www.jornalocal.com.br / Cultura / Cinema / Paulo Cheida Sans faz esculturas para as novas praças da PUC-Campinas

Paulo Cheida Sans faz esculturas para as novas praças da PUC-Campinas

As esculturas feitas por Paulo Cheida representam os dois Santos, nomes das praças. As peças foram realizadas em argila, feitas com equipamentos disponíveis no Ateliê de Tridimensionalidade do Curso de Artes Visuais da PUC-Campinas.

 

 

O artista plástico e professor da PUC-Campinas, Paulo Cheida Sans, fez duas esculturas para as praças recém inauguradas no Campus I da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. As praças intituladas “São Francisco de Assis” e “Santo Tomás de Aquino” foram planejadas para propiciarem a convivência em ambientes que contemplem arte, natureza e conectividade, visando fortalecer as relações da comunidade acadêmica no retorno às atividades presenciais e favorecer as relações interpessoais, servindo como extensão das salas de aula.

Pensadas para estimular atividades sociais variadas, desde o descanso até a realização de tarefas acadêmicas, as praças foram projetadas com a preservação integral da vegetação existente, que ganhou a companhia de novas árvores, arbustos e forrações vegetais, plantadas para aumentar a qualidade paisagística dos espaços.

As esculturas feitas por Paulo Cheida representam os dois Santos, nomes das praças. As peças foram realizadas em argila, feitas com equipamentos disponíveis no Ateliê de Tridimensionalidade do Curso de Artes Visuais da PUC-Campinas.

Elaboradas com utilização de técnicas de cerâmica e modelagem em escultura, as obras buscam representar a essência de cada Santo. O artista disse: “Na escultura de São Francisco de Assis, valorizei a simplicidade e o amor à natureza. Fiz três pássaros para valorizar a convivência do ser humano com as leis do universo. Na de São Tomás de Aquino, busquei enaltecer a reflexão e a sabedoria, demonstrando um homem culto e sereno”.

 

Paulo Cheida Sans é artista de longa data, tendo iniciado a sua carreira na década de 60. Participou de cerca de 500 exposições no Brasil e exterior. Recebeu 41 prêmios em Salões de Artes no Brasil e 3 no exterior (Portugal, Estados Unidos e França). Participou de significativas exposições, como as realizadas no Japão, Finlândia, Egito, Polônia, Porto Rico e em muitos outros países. Obras de sua autoria estão inseridas em acervos de importantes instituições culturais, no Brasil, como no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – USP – São Paulo; Museu de Arte de Santa Catarina – Florianópolis, SC; Museu de Arte de Brasília; Museu de Arte Contemporânea do Paraná – Curitiba, PR; Museu de Arte da Pampulha – Belo Horizonte, MG; no exterior, entre outros, no Centre of Fine Arts – Nehal, Egito; Université Laval – Québec, Canadá; Tama Art University – Tóquio, Japão; Casa de Las Americas – La Habana, Cuba; Museu Nacional – Santiago, Chile; Centro Cultural Brasil – Peru e do Instituto Cultural Peruano Norte-Americano – Lima, Peru.

 

 

Sobre Jornal Local

Veja também

Poeta do rock brasileiro: 25 anos sem Renato Russo

Renato Manfredini Júnior morreu há exatos 25 anos, completados neste 11 de outubro     Foi …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *