www.jornalocal.com.br / Brasil / Câmara de Curitiba aprova cassação do mandato de Renato Freitas na 1º votação

Câmara de Curitiba aprova cassação do mandato de Renato Freitas na 1º votação

Vereador petista, ativista do movimento negro, é perseguido pelos seus pares. Votação em segundo turno está marcada para a tarde desta quarta-feira. Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

 

 

Por 34 a 25 votos, a Câmara Municipal de Curitiba (PR) aprovou em primeira votação a cassação do mandato do vereador Renato Freitas (PT), ativista do movimento negro. Na sessão desta segunda-feira (21), apenas sete vereadores foram contrários; dois se abstiveram.

O petista é acusado injustamente de quebra de decoro parlamentar, durante um protesto pacífico contra o racismo realizado na Igreja Nossa Senhora do Rosário, na capital paranaense, em fevereiro de 2022.

A votação em segundo turno está marcada para às 15h40 desta quarta-feira (22).

A vereadora Professora Josete (PT) defendeu Freitas e se disse frustrada por ser vereadora, pois, o “critério de imparcialidade muitas vezes não existe”, de acordo com o site RICMais.

“Por que o vereador Renato Freitas precisa ser cassado? Não houve nenhuma denúncia das outras pessoas que estiveram no dia. Os atos de protesto contra as mortes cruéis e injustificadas de pessoas negras aconteceram em todo país. A manifestação foi em frente a uma igreja dos negros e não houve nenhum ato de violência”, afirmou a vereadora.

Professora Josete acrescentou que Freitas foi eleito de forma legítima e que tirar seu mandado ameaça a democracia. “Peço desculpas à população negra e para aqueles que, por sua caminhada, votaram em um vereador negro da periferia e que se sentem representados por Freitas”.

 

Entenda o caso

A perseguição imposta pelo Legislativo curitibano ao vereador ocorreu depois que ele comandou um protesto pacífico contra o racismo, na Igreja do Rosário, na capital do Paraná, no dia 5 de fevereiro de 2022.

Os manifestantes pediam justiça pelos assassinatos de dois homens negros, que tinham acontecido dias anteriores. Vários movimentos fizeram o mesmo pelo país.

Uma das vítimas foi o congolês Moïse Kabagambe, que cobrou atraso no pagamento de seus honorários, em um quiosque, no Rio de Janeiro, e morreu agredido violentamente. O outro foi o caso de Durval Teófilo Filho, assassinado por um sargento da Marinha, que supostamente o confundiu com um criminoso.

Na oportunidade, Freitas fez um discurso em defesa da vida. Porém, setores conservadores da cidade se incomodaram com o ato. Depois disso, cinco representações foram protocoladas contra o vereador na Câmara e transformadas em processo de quebra de decoro.

A Arquidiocese de Curitiba chegou a apresentar ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Vereadores (CMC), em março, um documento pedindo que o vereador não fosse cassado. “A movimentação contra o racismo é legítima, fundamenta-se no Evangelho e sempre encontrará o respaldo da Igreja. Percebe-se na militância do vereador o anseio por justiça em favor daqueles que historicamente sofrem discriminação em nosso país. A causa é nobre e merece respeito”.

Sobre Jornal Local

Veja também

Avião da PF chega a Brasília com restos do indigenista Bruno e o jornalista Philips

    O  avião da Polícia Federal (PF) que transportou os remanescentes humanos encontrados durante …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *