www.jornalocal.com.br / Memórias / Gente Nossa / História da cidade de Sousas

História da cidade de Sousas

 

A fundação de Sousas foi em 1830 e teve o seu início quando Aleixo Antônio de Godoy e Bernardo José Sampaio, imbuídos do mesmo espírito aventureiros, nômades por índole, eles não se contentaram em ficar ali e resolveram construir uma ponte de madeira.

Foi assim que José Floriano de Camargo e membros da família Sousas, sabedores das boas qualidades das terras, vieram adquiri-las juntando-se aos primitivos povoadores. Foi crescendo e se transformou em um pequeno arraial que se tornou conhecido como “Ponte do Arraial”, a ponte mais conhecida de Sousas.
A introdução da cultura do café em meados do mesmo século, trouxe nova dinâmica econômica para a região, atraindo mais moradores, inclusive os imigrantes italianos.

Em 1889 os moradores ergueram o primeiro templo do então arraial de Sousas, uma capela consagrada a São Sebastião, ainda preservada na pracinha em frente á subprefeitura.

A vida seguiu tranquila e sempre seguirá o ditado: “SOUSAS É O PEDAÇO DO CÉU NA TERRA”. Vamos preservá-lo, dizia Antônio Carlos Couto de Barros (in memoriam).

Sousas

Sousas é um distrito pertencente ao município de Campinas, no estado de São Paulo. Tendo sua fundação em 24 de julho de 1896 (122 anos), Sousas é o distrito mais antigo de Campinas. Localiza-se na região leste do município, aproximadamente 10,5 quilômetros do Centro e conta com aproximadamente 28 mil habitantes. No passado era conhecido como Arraial dos Sousas e Sousápolis.

Embora integre um município, o distrito manteve quase que intactas características de vila rural, cidadezinha que nasceu ou cresceu à sombra dos cafeeiros. O ciclo do café deixou fincado, em solo campineiro e paulista, as bases, a infraestrutura e as condições para a implantação de indústrias, mas o distrito, no entanto, permaneceu protegido desse processo, quase que esquecido.

Apesar de a industrialização não ter alcançado direta e expressivamente Sousas e Joaquim Egídio, esses núcleos satélites também se beneficiaram do processo, tanto pela oferta de trabalho para seus habitantes no município e na região, como pela arrecadação de recursos financeiros.

O preço da terra, o relevo acidentado e a vocação rural fizeram com que a ocupação do solo e a expansão urbana fossem mais difíceis e lentas. Tudo isso resultou numa espécie de cultura diferenciada do resto do município. Ficaram intactos o modo de vida interiorano, valores esquecidos e sotaques. A população dos distritos é uma mescla de descendentes de imigrantes – sobretudo italianos – alguns descendentes de escravos das antigas fazendas de café e migrantes mineiros e paranaenses.

O nome Sousas é em homenagem ao brigadeiro Luís António de Sousa Queirós, que foi agraciado pela coroa portuguesa com uma grande sesmaria na região entre os rios Atibaia e Jaguari, no atual distrito de Sousas. Bernardo Sampaio, de Campinas, e Aleixo de Godoy, de Amparo, exploraram o local pela primeira vez desde a fundação de Campinas e batizaram o local em 1830.

A criação do distrito vizinho de Joaquim Egídio, até então um povoado, ocorreu com o desmembramento de seu território de Sousas através da Lei Estadual 5.285, de 18 de fevereiro de 1959.

Criado em 24 de julho de 1896 (123 anos) População  – Total 20 000

Sousas é um distrito pertencente ao município de Campinas, no estado de São Paulo. Tendo sua fundação em 24 de julho de 1896(123 anos), Sousas é o distrito mais antigo de Campinas. Localiza-se na região leste do município, a aproximadamente 10,5 quilômetros do Centro e conta com aproximadamente 20 000 habitantes. No passado era conhecido como Arraial dos Sousas e Sousápolis.

 

Distrito de Sousas em Campinas

Com a distribuição das sesmarias, o Distrito de Sousas se constituiu nas terras da Fazenda Atibaia de propriedade da família de Joaquim Monteiro, em 1833, onde foi construída uma capela em louvor a São Sebastião.

 

Subprefeitura de Sousas

Também uma das edificações do ciclo cafeeiro, este prédio possui os elementos do ferro, do vidro, da madeira e do barro, e é um dos primeiros edifícios a utilizá-los em sua construção. Tombado em 2003.

 

Senta que lá vem história: O Arraial dos Souzas

“O Arraial dos Souzas, embellezas naturaes, não é talvez o menos favorecido do Estado de São Paulo, apezar de estar collocado entre collinas que lhe destroem a perspectiva e limitam-lhe o horisonte. E’ um logar magnifico para se viver; o clima é delicioso, mais saudavel não existe; alli não ha molestias endemicas, nunca foi atingido pelas epidemias que têm assolado outras povoações do estado” (Escrito de um “cavalheiro residente naquella localidade”, Almanach de Campinas para 1900, organizado por Leopoldo Amaral, Casa Livro Azul/Castro Mendes & Irmão, Campinas, 1900, pp. 71-72)

A fundação de Sousas iniciou-se em 1830 pelos sertanejos Aleixo Antonio de Godoi e Bernardo Sampaio, ao se estabelecerem às margens do Atibaia, onde encontraram farta caça e pesca, além de magnífica beleza natural. Para continuar sua descoberta, construíram uma ponte de madeira a fim de transporem o rio. Decidiram estabelecer-se no local, iniciando uma povoação que logo desenvolver-se-ia.
As condições naturais da região atraíram novos moradores, como Augusto Fornaleiro, Manoel Antonio de Moraes, João Floriano de Camargo e membros da família Souza. Segue abaixo os dados biográficos encontrados sobre alguns dos fundadores da localidade, extraídos da Monografia Histórica e Estatística do Distrito de Sousas, de Zuleika Godoi Gomes:

– Bernardo José Sampaio: nascido na Vila de São Carlos (Campinas), em 1797, era genro de José de Sousa Campos. Exerceu o cargo de vereador entre os anos de 1833-1836 e 1845-1848, tendo favorecido também a cultura cafeeira. Faleceu em 16 de Janeiro de 1855;

– Mano(u)el Antonio de Morae(i)s: nascido na Vila de São Carlos, em 1811, era bisneto de João de Sousa Campos. Faleceu em torno dos 50 anos, em 8 de setembro de 1861;

– João Floriano de Camargo: irmão de Bernardo Sampaio faleceu em 1850;
– José de Sousa Campos (major): nascido em 13 de junho de 1797, na vila de São Carlos, eminente na história e política da cidade. Era bisneto de Barreto Leme e Sousa Siqueira, ambos fundadores de Campinas. Exerceu os cargos de sargento-mor, procurador do Conselho (1822) – em que participou do evento da Independência política do país – e foi vereador entre 1837-40 e 1841-44; período em que a Vila de São Carlos foi elevada à cidade de Campinas. Era proprietário da fazenda Atibaia, na qual plantou cafezais, sendo por isso considerado um dos pioneiros da implantação da cultura cafeeira na região.

– José de Sousa Siqueira (capitão): nascido na povoação de Campinas do Mato Grosso (Campinas), em 1775, filho de João de Sousa Campos e D. Ursula da Silva Guedes, neto de Barreto Leme. Obteve grande destaque e prestígio social e político. Exerceu o cargo de vereador entre os anos de 1802-03 e em 1810, tendo sido Juiz Ordinário e Presidente da Câmara entre 1812-19 e no ano de 1828. Siqueira obteve, em 1796, concessão da sesmaria e, em 1797, estabeleceu-se com sítio de cultura, em Ribeirão de Anhumas. Nas terras recebidas por sesmaria, formou a fazenda Atibaia – às margens do rio que possui o mesmo nome. Seu filho, José de Sousa Campos, herdou a fazenda e, em 1858, após sua morte, deixou-a para seu genro, João Batista Camargo Damy. Esta fazenda ainda hoje é conhecida como João Damy e grande parte das terras da antiga Fazenda Atibaia representam parcialmente o perímetro urbano do atual Distrito de Sousas. José de Sousa Siqueira e Bernardo Sampaio, proprietários das Fazendas Atibaia e Palmeiras, introduziram a cultura cafeeira no Distrito, em 1830 – data do início da povoação da região.

Aos poucos, o povoado tornou-se arraial, conhecido como “Ponte do Arraial” e “Ponte do Atibaia”. Em 1889, houve a mudança do nome para “Arraial dos Souzas”, devido ao fato de muitos moradores serem descendentes de membros da família de sobrenome Souza. Esta proposta do vereador Dr. Ricardo Gumbleton Daunt visava homenagear a família que contribuíra para formação e desenvolvimento da localidade. Em 1896, o então deputado estadual Dr. Alberto Sarmento pediu informações sobre a localidade ao professor João Brenn , a fim de elevar o Arraial a Distrito de Paz. Em consequência, no dia 24 de julho deste mesmo ano, houve a criação de seu cartório de paz e a eleição dos seguintes juízes: Alfredo Augusto do Nascimento, João de Souza Campos e Luiz Damy. Porém, o cartório de paz só iniciou seu funcionamento em fevereiro de 1897.

Em 1944, através do decreto nº 14.334 de 30 de novembro do referido ano, houve uma nova mudança do nome: de “Arraial dos Souzas” para somente “Sousas”.

 

Sobre Jornal Local

Veja também

Tradicional Semana italiana chega a 22ª Edição

A colônia italiana de Campinas se reuniu, desde o dia 18 de abril, para comemorar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *