www.jornalocal.com.br / Política / Bolsonaro não aumentará o Bolsa Família, vai extinguir o auxílio emergencial de 22 milhões de pessoas

Bolsonaro não aumentará o Bolsa Família, vai extinguir o auxílio emergencial de 22 milhões de pessoas

Mesmo que Bolsonaro cumpra a promessa de incluir as pessoas que estão na fila de espera há anos, aumentando os atendidos para 16 ou 17 milhões, o total de abandonados ficará em torno de 22 milhões.

 

 

Jair Bolsonaro prepara mais um golpe cruel contra a população brasileira, mas, como sempre, mente e diz que se trata de algo bom. A mentira que ele e sua equipe econômica contam é a de que, a partir de novembro, o valor do Bolsa Família subirá de R$ 192 (benefício médio pago atualmente) para R$ 300. A verdade, porém, é: milhões de pessoas que hoje recebem o auxílio emergencial serão completamente abandonadas bem no fim do ano, perto do Natal.

O “aumento do Bolsa Família” é só a forma de Bolsonaro desviar a atenção do fato de que, em outubro, o governo vai acabar com o auxílio emergencial, que hoje paga R$ 300 para 39 milhões de pessoas. A partir de novembro, esses R$ 300 serão pagos apenas para os beneficiários do Bolsa Família, que são 14,6 milhões. Ou seja, mais de 24 milhões estão à beira do abandono completo.

Mesmo que Bolsonaro cumpra a promessa de incluir as pessoas que estão na fila de espera há anos, aumentando os atendidos para 16 ou 17 milhões, o total de abandonados ficará em torno de 22 milhões. “É a maior exclusão da história da proteção social do Brasil”, afirma a ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tereza Campello, que debate o tema no programa TvPT na Câmara, que vai ao ar às 19h desta segunda-feira (20) (assista abaixo).

A exclusão dessas dezenas de milhões de pessoas certamente aumentará ainda mais a miséria no Brasil. Em 2020, quando o auxílio emergencial era de R$ 600 e beneficiava 68 milhões de brasileiros (medida adotada apenas porque o Congresso Nacional obrigou o governo), 9,8 milhões de pessoas estavam abaixo da linha da pobreza no Brasil. O governo, no entanto, após interromper o pagamento do auxílio, o reduziu para os atuais R$ 300 e 39 milhões de beneficiados. Resultado: hoje 27,7 milhões vivem na miséria. Com o novo corte, quantos serão?

E essa não é a única mentira que Bolsonaro tem contado sobre o Bolsa Família. Mais grave ainda é o fato de que, ao substituir o programa pelo Auxílio Brasil, o atual presidente desmonta toda a rede de proteção social implementada no governo Lula e fortalecida por Dilma Rousseff (leia mais aqui) e ataca principalmente os direitos das mães e das crianças, acabando de vez com políticas como o Brasil Carinhoso, que garantia creches para centenas de milhares de crianças.

Da Redação do PT

Sobre Jornal Local

Veja também

12 mil crianças de até seis anos ficaram órfãs pela pandemia

Entre março de 2020 e setembro de 2021, cartórios registraram morte por Covid-19 de um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *