www.jornalocal.com.br / Política / CPI deve pedir indiciamento de Bolsonaro por 11 crimes e dos filhos 01, 02 e 03

CPI deve pedir indiciamento de Bolsonaro por 11 crimes e dos filhos 01, 02 e 03

O relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que tem mais de mil páginas, será lido na próxima terça-feira (19), e a previsão é de que a votação ocorra na quarta (20).

 

 

O relatório da CPI da Covid no Senado deve pedir o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) por 11 crimes relacionados a ações e omissões no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 600 mil brasileiros.

Os crimes são: 

  • 1) epidemia com resultado de morte;
  • 2) infração de medida sanitária preventiva;
  • 3) charlatanismo;
  • 4) incitação ao crime;
  • 5) falsificação de documento particular;
  • 6) emprego irregular de verbas públicas;
  • 7) prevaricação;
  • 8) genocídio de indígenas;
  • 9) crime contra a humanidade;
  • 10) crime de responsabilidade – por violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo; e,
  • 11) homicídio comissivo por omissão no enfrentamento da pandemia.

 

Além do presidente, também devem ser responsabilizados seus filhos 01, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), por advocacia administrativa, incitação ao crime, e improbidade administrativa; o 02, vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), por incitação ao crime; e 03, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), também por incitação ao crime.

As informações são da GloboNews, que citou ainda o indiciamento de três ministros – Marcelo Queiroga (Saúde), Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral) e Wagner Rosário (Controladoria Geral da União); e dois ex-ministros: Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

O relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que tem mais de mil páginas, será lido na próxima terça-feira (19), e a previsão é de que a votação ocorra na quarta (20).

Se aprovado pela maioria dos senadores da CPI, o relatório será enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), que tem a tarefa de conduzir as investigações sobre os indiciados com foro privilegiado, como o presidente Bolsonaro, ministros e parlamentares federais, mas pode ou não determinar as investigações.

Será encaminhado também para a primeira instância do Ministério Público Federal dos estados, que terão a tarefa de levar à frente as apurações que envolvem outros indiciados; para Polícia Federal e Receita Federal, além do Tribunal Penal Internacional, por causa das acusações de genocídio de indígenas e crimes contra a humanidade.

De acordo com o Poder360, mesmo que os pedidos de indiciamento sejam aceitos pela PGR, Bolsonaro ainda não sofreria as sanções cabíveis.

“Nesse momento, ainda que haja o indiciamento de Jair Bolsonaro pelos crimes de charlatanismo, crimes contra a humanidade e homicídio comissivo por omissão no enfrentamento da pandemia, por exemplo, o Presidente só poderia vir a ser preso após condenação transitada em julgado,” disse o advogado criminalista e mestre em Direito Penal Econômico e Compliance pelo IDP Bernardo Fenelon, ao Poder360.

De acordo com o site, as sanções para os crimes listados por Renan podem chegar até a 30 anos de reclusão no caso do crime de epidemia com resultado de morte ou então o impeachment, no caso de ser julgado pelo Congresso como culpado de crime de responsabilidade.

“Em se tratando do crime de responsabilidade, inerente à função presidencial, Bolsonaro poderia vir a ser julgado, ainda no curso de seu mandato, dependendo, entretanto, da formalização do processo de impeachment pelo Presidente da Câmara”, afirmou Fenalon.

Sobre Jornal Local

Veja também

12 mil crianças de até seis anos ficaram órfãs pela pandemia

Entre março de 2020 e setembro de 2021, cartórios registraram morte por Covid-19 de um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *