www.jornalocal.com.br / Política / Lula sobre a Ucrânia: “Divergências devem ser resolvidas na mesa de negociação”

Lula sobre a Ucrânia: “Divergências devem ser resolvidas na mesa de negociação”

 

Lula comentou, nesta quinta-feira (24), durante entrevista às rádios Supra FM e 103,5 FM, de Goiás e do Distrito Federal, o conflito entre Rússia e Ucrânia. Para o ex-presidente, uma nova guerra é inaceitável, e a situação revela a necessidade de uma reformulação da Organização das Nações Unidas (ONU), em especial do Conselho de Segurança.

“É lamentável que, na segunda década do século 21, a gente tenha países tentando resolver suas divergências, sejam territoriais, políticas ou comerciais, através de bombas, de tiros, de ataques, quando deveriam ter sido resolvidas numa mesa de negociação”, afirmou.

Lula acrescentou que, infelizmente, grandes potências militares insistem em abandonar as negociações com frequência. “A gente está acostumado a ver que as potências, de vez em quando, fazem isso sem pedir licença. Foi assim que os Estados Unidos invadiram o Afeganistão, invadiram o Iraque. Foi assim que a França e a Inglaterra invadiram a Líbia. E é assim que a Rússia está fazendo com a Ucrânia. É importante que essas pessoas aprendam que a guerra não leva a nada, a não ser a mais destruição, mais desemprego, mais desespero, mais fome. O ser humano tem que criar juízo e resolver suas divergências numa mesa de negociação, nunca num campo de batalha”, defendeu .

Para o ex-presidente, o conflito revela a necessidade de a ONU ampliar a representatividade dos países. “Acho importante a gente repudiar mais uma guerra, desnecessária, que poderia ter sido resolvida, inclusive, se a ONU tivesse mais representatividade, mais força. Não adianta o secretário-geral ir para a televisão lamentar. Era importante que a ONU tivesse agido sistematicamente para evitar que acontecesse essa guerra”, disse Lula.

Na avaliação do ex-presidente, as Nações Unidas precisam levar em conta que a geografia política do mundo mudou desde 1948, quando o organismo internacional foi criado. “É preciso colocar mais países para participar do Conselho de Segurança, não pode ser apenas cinco(com assento permanente). É preciso ter representação da África, da América Latina, que participem a Índia, o Japão, a Alemanha… É importante que a gente coloque novos países e aumente a capacidade de governança da ONU. Que não seja uma instituição apenas decorativa, mas que tome decisões efetivamente”, argumentou.

Desarmonia também no Brasil

Lula criticou também a desarmonia que o país vive devido às mentiras e ao discurso de ódio de Jair Bolsonaro. “Quando você tem um presidente que só gosta de atacar, não gosta de conversar, que não conversa com sindicatos, empresários, mulheres, negros, índios, quilombolas, estudantes, reitores universidades, para que serve esse presidente? No nosso caso, só serve para contar mentiras, segundo o UOL, sete mentiras por dia. A última grande mentira que ele contou foi a de que foi à Rússia para promover a paz. E ainda diz ‘eu consegui’. Até em coisas sérias como essa ele é capaz de mentir.” 

Segundo Lula, o Brasil não precisa de um presidente desse tipo. “O povo precisa de alguém mais humano, com mais sentimento, mais coração, mais fraternidade, mais humanismo. Alguém que pense em distribuir livro na escola e não distribuir armas. Alguém que fale mais em amor e não em ódio. Como você vai reconstruir o país para viver de forma mais harmônica com todo esse ódio que está sendo destilado?”, questionou.

Sobre Jornal Local

Veja também

PSB formaliza indicação do nome de Alckmin como vice de Lula

Lula é quem melhor reúne condições para condições para articular forças políticas amplas, capazes de dar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *