www.jornalocal.com.br / Brasil / STF julga essa semana três processos que podem abalar o governo Bolsonaro

STF julga essa semana três processos que podem abalar o governo Bolsonaro

A flexibilização de portes de armas, o marco temporal de terras indígenas e a suspensão do pagamento dos precatórios. Foto: José Cruz/Agência Brasil

 

 

Esta é uma semana em que o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) pode ter seus alicerces e sua base aliada afetadas a partir das decisões que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vão tomar em três julgamentos: a flexibilização de portes de armas, o marco temporal de terras indígenas e a suspensão do pagamento dos precatórios.

Nesta quarta-feira (15) deve entrar na pauta no STF o marco temporal das terras indígenas. O governo Bolsonaro e os ruralistas defendem que os indígenas só poderão requisitar as terras em que eles ocupavam, a partir de 1988, ano em que foi promulgada a Constituição. Isso significa que os indígenas podem perder terras já demarcadas e ainda não ter direito a novas demarcações.

primeiro voto foi do relator da ação, ministro Edson Fachin, com decisão favorável aos indígenas, e contrário ao marco temporal. O próximo a proferir o voto é o ministro Nunes Marques, indicado por Bolsonaro ao STF.

Dois recursos contra a proposta do governo de parcelar os precatórios (dívidas que a Justiça determinou o pagamento e não há mais possibilidade de recursos) devem ser julgados na quinta-feira (16).

O governo quer aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) no Congresso Nacional, para parcelar seus débitos de cerca de R$ 89,1 bilhões, em dez anos.  A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) questionam a base de cálculo do pagamento de precatórios judiciais. Os dois casos são relatados pelo ministro Nunes Marques.

Leia mais: PEC dos Precatórios de Bolsonaro afeta trabalhadores e aposentados 

Bolsonaro quer a liberação de armas, acreditando que o povo armado pode defender o seu governo. Para isso decretou a flexibilização da posse de armas, aumentando o número de revólver e rifles que um atirador esportivo ou caçador pode ter, entre outras medidas.

Até agora foram quatro decretos presidenciais sobre o tema. Um deles autoriza que cada pessoa registre quatro armas (antes eram duas); outro permite a posse de armas a moradores de áreas rurais; o terceiro aumenta o limite anual de munições de 50 para 200 (e depois, para 550); e o último, revoga três portarias do Exército que possibilitavam o rastreamento e o controle de armamentos.

Senadores de oposição dizem que o decreto sobre as armas, extrapola o  poder regulamentar do Executivo e viola o Estatuto do Desarmamento.

O Plenário virtual voltará a julgar na sexta-feira (16) as ações sobre o armamento. A ministra Rosa Weber e o ministro Edson Fachin já votaram pela suspensão parcial dos decretos. O Supremo é composto por 11 ministros.

Sobre Jornal Local

Veja também

Indígenas marcham pelo centro de Brasília e fazem reivindicações

As forças de segurança do Distrito Federal recomendaram que, por precaução, as mulheres ficassem no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *