www.jornalocal.com.br / Política / Artesp garante a construção alças de acesso na Bandeirantes aos Distritos Campo Grande e Ouro Verde

Artesp garante a construção alças de acesso na Bandeirantes aos Distritos Campo Grande e Ouro Verde

Juntos, os distritos do Campo Grande e Ouro Verde somam cerca de 500 mil pessoas

 

 

O diretor geral da Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo), Milton Roberto Persoli, afirmou nesta terça-feira (14), ao deputado estadual Rafa Zimbaldi, presidente da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), que o governo do Estado construirá, de fato, as alças de acesso na Rodovia dos Bandeirantes, entre os Km 92 e 95, para os distritos do Campo Grande e Ouro Verde, as duas maiores regiões de Campinas.

 

“Juntos, os distritos do Campo Grande e Ouro Verde somam cerca de 500 mil pessoas. São equivalentes a uma grande cidade, por isso é fundamental a construção do novo acesso que facilitará a vida dos moradores da região”, disse Rafa Zimbaldi.

Autor das leis que criaram os dois distritos, Rafa Zimbaldi defende os novos acessos há anos, desde a época de vereador e presidente da Câmara Municipal de Campinas.

 

Polêmica sobre pedágios

Rafa Zimbaldi também é autor do Projeto de Resolução (nº16/2021) que determina que seja realizada audiência pública nas cidades onde serão construídas novas praças de pedágios. A proposta foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado do último dia 18 de agosto.

“Essa proposta é de extrema importância para ampliarmos o diálogo com os munícipes de uma determinada cidade ou região que receberão novas praças de pedágios”, disse o deputado, assim que recebeu a notícia da publicação da proposta.

O projeto de resolução de autoria de Rafa Zimbaldi não depende de sanção do governador João Doria porque propõe uma alteração no Regimento Interno da Alesp e por isso depende apenas da aprovação final pela Mesa Diretora após tramitar pelas comissões internas da Casa.

Sobre Jornal Local

Veja também

12 mil crianças de até seis anos ficaram órfãs pela pandemia

Entre março de 2020 e setembro de 2021, cartórios registraram morte por Covid-19 de um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *