www.jornalocal.com.br / Política / Partidos de esquerda e CUT não participam do ato contra Bolsonaro no dia 12 de setembro

Partidos de esquerda e CUT não participam do ato contra Bolsonaro no dia 12 de setembro

O ato foi convocado por grupos de direita, como MBL e Vem Pra Rua, que contribuíram com o golpe de 2016, que foi contra o Brasil e os brasileiros, e que culminou com a eleição de  Jair Bolsonaro.

 

 

A direção da CUT divulgou um comunicado à imprensa nesta quarta-feira (8) para informar que “não participará, não convocará e não faz parte da organização de nenhuma manifestação/ato, anunciada para o próximo dia 12 de setembro”.

Este ato foi convocado por grupos de direita, como MBL e Vem Pra Rua, que contribuíram com o golpe de 2016, que foi contra o Brasil e os brasileiros, e que culminou com a eleição de  Jair Bolsonaro. Desde então, além das crises social, econômica e sanitária, a classe trabalhadora vem sofrendo uma série de ataques contra seus direitos.

No aviso à imprensa, a direção da Central reforça seu compromisso com a pauta da classe trabalhadora, por empregos de qualidade, salário e renda.

Ressalta ainda, a luta contra toda e qualquer proposta de retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, contra as privatizações, contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 32, da reforma Administrativa, que desmonta o serviço público, contra a fome e a carestia.

 

Confira a íntegra do aviso:

Aviso à imprensa sobre 12/09

A CUT, maior central sindical da América Latina, não participará, não convocará e não faz parte da organização de nenhuma manifestação/ato, anunciada para o próximo dia 12 de setembro.

A CUT defende a pauta da classe trabalhadora por empregos de qualidade, salário, renda, trabalho decente.

Luta contra toda e qualquer retirada de direitos, contra as privatizações, contra a PEC 32, que desmonta o serviço público, contra a fome, a carestia.

Defende a vida, a soberania e a democracia. Luta contra o governo genocida, criminoso e incompetente de Jair Bolsonaro, que colocou o Brasil na maior crise política, econômica, sanitária e institucional da sua história recente.

Sobre Jornal Local

Veja também

12 mil crianças de até seis anos ficaram órfãs pela pandemia

Entre março de 2020 e setembro de 2021, cartórios registraram morte por Covid-19 de um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *