www.jornalocal.com.br / Política / Lula tem 76% de aprovação entre os internautas ‘nem de esquerda, nem de direita’

Lula tem 76% de aprovação entre os internautas ‘nem de esquerda, nem de direita’

Levantamento é resultado de análise de 1,4 milhão de postagens nas redes sociais, feito por agência de inteligência artificial. Bolsonaro amarga 5% de aprovação e vê rejeição aumentar nas redes

 

 

 

Um levantamento feito pela agência .MAP, que monitora redes sociais por meio de inteligência artificial, mostrou que o ex-presidente Lula (PT) tem 76% de aprovação do público não militante no canais sociais como Facebook, Instagram e Twitter.

Os dados da pesquisa, pensada para avaliar o público que não se posiciona politicamente nem à esquerda, nem à direita, foram levantados durante todo o mês de julho com base em 1,4 milhão de postagens nas redes. Em relação ao mês anterior, Lula cresceu sete pontos percentuais. Em Junho, aprovação era de 69%.

De acordo com o levantamento, publicado pela coluna de Mônica Bérgamo na Folha de S Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece com apenas 5% de aprovação, índice menor que do levantamento anterior quando a aprovação dele era de 7%.

Outros candidatos avaliados foram Ciro Gomes (PDT), com 71% de aprovação e Simone Tebet (MDB) com 44%.

 

Jovens

Público predominante nas redes sociais – a faixa etária que mais acessa as redes sociais está entre 16 e 24 anos -, os jovens têm ‘marcado terreno’ em relação à política no Brasil. Este ano, mais de 2,0 milhões de jovens tiraram o título de eleitor, incentivados por uma campanha promovida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que contou com o engajamento de personalidades do meio artístico nacional e internacional.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, 51% deles declaram voto em Lula, contra 20% de Bolsonaro. O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) tem 12% das intenções de voto dos jovens e a senadora Simone Tebet (MDB-MS), 1%.

Sobre Jornal Local

Veja também

Ministro do STF suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Na decisão, Fux observou que a decisão do TRF-1 foi fundamentada em uma “aparente violação” …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *