www.jornalocal.com.br / Política / Juízes recebem até R$ 250 mil por mês e pagam menos 6% de INSS

Juízes recebem até R$ 250 mil por mês e pagam menos 6% de INSS

A contribuição dos juízes acaba sendo menor que a do comum dos trabalhadores, como demonstra o levantamento, porque o cálculo não leva em conta as bonificações, os “direitos eventuais” e as gratificações.

A
Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, apresentada pelo governo Jair
Bolsonaro (PSL), com a justificativa de salvar o equilíbrio da conta da
Previdência Social, sacrificando de um lado a contribuição e do outro a
aposentadoria de milhões de trabalhadores, deixa na sombra e água fresca
juízes, magistrados e membros do Ministério Público que recebem supersalários.

O site Brasil de Fato teve acesso a 50 contracheques de juízes e desembargadores do estado de Tocantins, referentes ao mês de dezembro de 2018, e analisou os valores brutos, a contribuição previdenciária para o INSS e as gratificações, bonificações e prêmios.

O
total dos subsídios (rendimentos) dos 50 magistrados foi igual a R$ 1,4 milhão.
A esse valor foram somados mais R$ 448 mil em indenizações e outros R$ 5,2
milhões em direitos eventuais, o que inclui uma grande variedade de acréscimos
como: auxílio-moradia, auxílio-paletó, ajuda de custo, auxílio-livro,
gratificação por serviço extraordinário, gratificação por serviço cumulativo,
gratificação por substituição, entre outros.

O
valor total de desconto para o INSS nos cinquenta contracheques analisados pela
reportagem foi de R$ 419 mil, o que representa apenas 5,8% do valor creditado
nas contas dos juízes. O trabalhador com carteira assinada contribui com 8%, 9%
ou 11%, de acordo com a faixa salarial. Os autônomos contribuem com 20% da
renda.

Para os juízes, a regra de contribuição para o INSS é de 11% sobre o salário para quem entrou no serviço público antes de 2013. Para quem entrou no Poder Judiciário depois desse ano, a contribuição é de 11% sobre o teto do INSS (R$ 5,8 mil). A mudança veio através da Lei 12.618, de 30 de abril de 2012.

Na prática, a contribuição dos juízes acaba sendo menor que a do comum dos trabalhadores, como demonstra o levantamento, porque o cálculo não leva em conta as bonificações, os “direitos eventuais” e as gratificações. Uma distorção que é mantida na proposta de reforma apresentada pelo governo.

“No
regime previdenciário, o tributo só incide sobre o valor que é levado para a
aposentadoria. Como tais vantagens eventuais não são pagas aos aposentados, não
há como incidir na contribuição previdenciária”, disse o procurador da AGU
(Advocacia-Geral da União) Carlos André Studart Pereira.

Se
fosse aplicada a alíquota de 22% (proposta pela PEC de Bolsonaro) sobre todo o
rendimento, este grupo de juízes teria que pagar R$ 1,57 milhão de contribuição
para o INSS. No entanto, como a proposta do governo continua sendo de fazer o
desconto somente do salário, o valor arrecadado seria de R$ 320 mil. Uma perda
de R$ 1,2 milhão por mês só na folha de 50 juízes.

Os
juízes participam pouco no esforço de contribuir com o equilíbrio do sistema de
repartição simples, também conhecido como o pacto entre gerações, ou seja,
quando a atual geração de trabalhadores, em conjunto com as contribuições das
empresas e do governo, financiam os benefícios da geração anterior de
trabalhadores que agora está aposentada.

Entre
os casos há, por exemplo, o de um juiz de Cristalândia, cidade no centro-sul de
Tocantins, com 7.300 habitantes, que recebeu, em dezembro de 2018, R$ 27,5 mil
de salário, mais R$ 3.408,79 de verbas de indenizações e R$ 100.833,95 de
direitos eventuais. O total recebido pelo juiz nesse mês foi de R$ 141.742,91.

Esse
juiz pagou R$ 6.050,02 de contribuição para o INSS (4,2% do total bruto) e R$
11.618,02 de Imposto de Renda descontado na fonte. Em Cristalândia, o salário
médio é de R$ 1.596 e só 9,8% da população é ocupada, segundo o IBGE.

Thiago
Duarte, da executiva da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia
 explica que a questão dos supersalários é uma realidade não só de
Tocantins, mas do Brasil.

“O
salário por si só já é alto. O máximo é de R$ 39 mil que é o que recebem os
ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).  Os juízes recebem mais de R$
30 mil, mesmo no primeiro dia de trabalho dele. O problema é que além do super
salário tem os penduricalhos, verbas recebidas e o auxílio-moradia é o mais
clássicos e eles deixam de contribuir para o INSS e para o imposto de renda”,
disse.

A
gratificação por serviço cumulativo é pago para os juízes quando o volume de
processos nas varas onde atuam ultrapassa o limite de mil novas ações por ano.
O benefício é de um terço do valor do salário. Outra gratificação bastante
comum é a de substituição ou de trabalho em mais de uma vara. Nesses casos, o
juiz ganha um salário integral a mais, cumprindo a mesma jornada de trabalho,
porém, dividida em dois ou mais locais diferentes. Trabalhos extraordinários
também garantem créditos extras. Outra forma de aumentar a renda é a venda de
folgas acumuladas ao longo do ano, além dos dois períodos de férias. Esses
valores, por sua origem eventual, não entram na conta da contribuição para o
INSS.

Sobre Jornal Local

Veja também

Prefeito de Campinas representa municípios paulistas em lançamento de programa estadual

Os municípios interessados no financiamento devem apresentar os projetos ao Estado, que fará avaliação prévia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *