www.jornalocal.com.br / Campinas e Região / Com fins eleitoreiros Ministério da Saúde decreta fim da emergência da Covid e contraria OMS e cientistas

Com fins eleitoreiros Ministério da Saúde decreta fim da emergência da Covid e contraria OMS e cientistas

A mudança tem impacto direto em vários cuidados e regras que vinham sendo adotados no funcionamento geral da sociedade, como no ambiente de trabalho e na rotina de viagens.

 

 

 

O Ministério da Saúde deve enviar, nesta quarta-feira (20), ao Diário Oficial da União (DOU) uma portaria que encerra a emergência em saúde pública decretada no pico da pandemia do novo coronavírus. A decisão do ministro Marcelo Queiroga de decretar o fim da pandemia contraria orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e análises de cientistas do Brasil e do mundo. É uma decisão política que mostra que o ministro cedeu à pressão do presidente Jair Bolsonaro (PL) que quer logo o anúncio do fim da pandemia para passar uma imagem de “normalidade”.

O Comitê de Emergência da OMS alerta que a Covid-19 ainda é “um evento extraordinário que continua a afetar negativamente a saúde das populações em todo o mundo, representa um risco contínuo de propagação internacional e interferência no tráfego internacional, e requer uma resposta internacional coordenada”.

Nos EUA, por exemplo, o presidente Joe Biden acaba de ampliar por mais três meses medidas de controle de disseminação da pandemia como a volta do uso da máscara.

Com a decisão de encerra a emergência em saúde pública, mais de 2.000 atos administrativos poderão ser revogados, adaptados ou virarem políticas permanentes. A mudança tem impacto direto em vários cuidados e regras que vinham sendo adotados no funcionamento geral da sociedade, como no ambiente de trabalho e na rotina de viagens.

O Ministério da Saúde avalia conceder um prazo de adaptação de pelo menos 30 dias, com possibilidade de prorrogação, para os órgãos federais, estados e municipios. Em pronunciamento de rádio e TV feito neste domingo (17), o ministro ressaltou a cobertura vacinal no Brasil e falou que a decisão não significa o fim da pandemia do novo coronavírus.

“Esta medida, no entanto, não significa o fim da Covid-19. Continuaremos a conviver com o vírus. Hoje, mais de 73% da população brasileira completou o esquema vacinal e mais de 71 milhões receberam a dose de reforço”, disse Queiroga.

 

O que é estado de emergência de saúde pública

O fato é que o estado de “Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional”, também chamado Espin, o nível máximo de risco da doença no Brasil, permitiu que o governo federal e os governos estaduais e municipais tomassem uma série de medidas, como o uso obrigatório de máscaras, a autorização emergencial para vacinas, o isolamento, a quarentena e a realização compulsória de exames médicos e vacinação.

Além disso, a medida sanitária diminuiu a burocracia para contratações temporárias de profissionais de saúde, aquisição de bens e contratação de serviços; previu a dispensa de licitação e autorizou a importação de produtos sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Entre as normas que poderão ser afetadas com o fim do estado de “emergência sanitária nacional” estão, por exemplo, a do uso de máscaras, do teletrabalho, e da regulamentação da telemedicina.

 

Número de casos e mortes por Covid em queda

Neste domingo, o Brasil registrou 22 mortes por Covid-19, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conasss). Esse é o menor número registrado desde 29 de março de 2020, no início da pandemia, quando o país também teve 22 mortes pela doença.

 

Surto na China

Enquanto Queiroga decreta o fim da emergência em saúde pública, na China milhões de pessoas estão trancadas dentro de casa para evitar o colapso no sistema de saúde.

Em Xangai, o centro financeiro chinês informou que três pessoas infectadas pela Covid-19 morreram neste domingo (17), a primeira vez durante o atual surto que relatou mortes entre os pacientes com coronavírus.

A cidade relatou 19.831 novos casos diários assintomáticos de Covid-19 neste domingo, contra 21.582 no dia anterior. Os novos casos sintomáticos foram de 2.417, contra 3.238.

A cidade realizou mais de 200 milhões de testes de ácido nucléico desde 10 de março, numa tentativa de conter o maior surto de Covid-19 na China desde que o coronavírus foi descoberto pela primeira vez em Wuhan, no final de 2019.

Com informações de agências de notícias.

Sobre Jornal Local

Veja também

São Paulo volta a obrigar uso de máscaras contra covid-19

Na Câmara Municipal de São Paulo, o uso é obrigatório para servidores e vereadores. Para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *